Curitiba, 
Nova pagina 1
  MENU PRINCIPAL
 Galeria de Fotos
 Fale Conosco
 Usuários
 Pagina Inicial
 Presidentes do Brasil
 Busca de Cep
 Busca de Cartórios
 Conheça o Brasil
 Governadores do Paraná - Imperial
 Governadores do Paraná - Republicano
COLUNAS LC
 Acidente de trabalho
 Ambiental
 Aposentadoria
 Arbitragem
 Atividade eventual
 Bancos
 Bem de Família
 Câmaras de Vereadores
 Cartão de crédito
 Célebres Julgamentos
 Conselho Nacional de Justiça
 Conselho Nacional de Justiça(CNJ)
 Conselho Tutelar
 Constituição Federal
 Contratos
 Cooperativas de crédito
 Cooperativas de Trabalho
 Crianças e Adolescentes
 Danos morais
 Direito Constitucional
 Direito do Consumidor
 Direito Empresarial
 Direitos do Empregador
 Direitos doTrabalhador
 Discriminação
 Emenda Constitucional 45/04
 Frases que marcaram
 Hist.Partidos Políticos
 IDOSOS
 Juizados Especiais
 Juizados Especiais
 Justa Causa
 Justiça Eleitoral
 Justiça On-Line
 Latim
 Leis
 Magistratura
 Ministério Público
 Municípios
 O.A.B
 Pensão Alimentícia
 Pensionistas
 Poder é Poder
 Portadores de Necessidades Especiais
 Precatórios
 Prefeituras
 RECURSOS
 Rural
 Sindicatos
 SÚMULAS
 TERCEIRIZAÇÃO
 Terceiro Setor
 Textos sucintos e interessantes
 Trabalhista
 União Estável
  NEWS LETTER
  
Administradoras de cartão poderão ter supervisão do BC

Tramita na Câmara o Projeto de Lei Complementar (PLP) 106/07, de autoria da Comissão de Legislação Participativa, que equipara as administradoras de cartão de crédito às instituições financeiras, sujeitando-as, portanto, à supervisão do Banco Central. "Estamos convencidos de que as empresas administradoras de cartão de crédito realizam essencialmente operações de cunho financeiro, envolvendo financiamentos e concessão de limites de crédito para pessoas físicas e jurídicas", explica o presidente da comissão, deputado Eduardo Amorim (PSC-SE).

A proposta é resultado de sugestão apresentada à comissão pelo Conselho de Defesa Social de Estrela do Sul (MG). A intenção é corrigir uma lacuna na legislação referente às operadoras de cartão de crédito. Isso porque a Lei 9.614/99 incorporou as operadoras na relação de empresas sujeitas à identificação de seus clientes, manutenção de registros e comunicado de operações financeiras para o Conselho de Controle das Atividades Financeiras (Coaf). Falta, portanto, equipará-las às demais regras para instituições financeiras, previstas na Lei 4.595/64.

Além da fiscalização do Banco do Brasil, as administradoras de cartão de crédito passarão a sofrer as penalidades da lei de 1964, que pode variar de advertência e suspensão do cargo até prisão do diretor responsável, por infrações na condução das instituições. O projeto, entretanto, deixa claro que as lojas emissoras de cartões para uso somente em suas dependências não são consideradas instituições financeiras.

Tramitação
A proposta tramita em regime de prioridade e será analisada pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Depois, deverá ser votada pelo Plenário.

Reportagem - Malena Rehbein
Edição - Pierre Triboli
Fonte : Agência Câmara
Projeto - 25/01/2008 10h53

Bancos e a sustentabilidade

O Banktrack, organização internacional sem fins lucrativos, criada para fiscalizar e monitorar o setor financeiro, divulgou o relatório Mind the Gap, documento que mostra, por meio de um ranking de pontuações, a distância entre a teoria e a prática no que se refere à responsabilidade sociaambiental em 45 bancos de todo o mundo.

Entre as instituições que mais pontuaram estão o multinacional HSBC e o holandês Rabobank. No Brasil, as empresas analisadas foram o Banco do Brasil, o Bradesco e o Itaú, que obtiveram resultados pouco acima da média dos outros bancos, mas baixos se tratados na escala de zero a quatro, estabelecida pelo ranking.

Os bancos foram escolhidos de acordo com o maior número de ativos, empréstimos realizados, financiamento de projetos e seguros oferecidos. A base de comparação para as notas são práticas internacionais que se tornaram paradigmas de sustentabilidade, tais como a certificação de florestas do Forest Stewarship Council, ou em outro nível, a Declaração dos Direitos Humanos das Nações Unidas.

Fonte : ENVOLVERDE
IDEC
Publicada em 24 de Janeiro de 2008

TJDFT promove I Congresso Brasileiro de Mediação Judicial

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos territórios realiza, de 03 a 05 de março, em Brasília (DF), o I Congresso Brasileiro de Mediação Judicial. O evento tem o objetivo de promover o compartilhamento de experiências, resultados e reflexões sobre a utilização, cada vez mais freqüente, das mediações nos Tribunais de Justiça como complemento e opção de resolução de disputas.

Especialistas do Brasil, Itália, Canadá, Espanha e EUA participarão do congresso, com o objetivo de agregar e ampliar o conhecimento de todos os setores envolvidos nessa área que, a cada dia, faz-se mais presente na realidade cotidiana das cortes brasileiras.

O evento tem quatro objetivos principais: discutir a utilização da mediação como instrumento de evolução da sociedade por meio de uma pedagogia que emancipa o homem e resgata seu protagonismo perante a vida e o outro; identificar um modelo brasileiro de mediação judicial; apresentar modelos de sucesso, tanto na aplicação do processo de mediação quanto na formação de mediadores; e demonstrar a importância da formação de mediadores autênticos e maduros como forma de garantia da mediação tanto judicial como privada.

O Congresso tem como público-alvo: magistrados, mediadores, advogados, promotores, defensores públicos, reitores, diretores de faculdade, pesquisadores, professores, universitários, psicólogos, sociólogos, assistentes sociais e demais profissionais que representam os atores essenciais de uma mudança de paradigma ante a resolução de conflitos.

Mais informações sobre o evento e inscrições podem ser obtidas no site http://www.tjdft.gov.br/, pelo tel (61) 3345-3338 ou pelo email fenix.seminarios@terra.com.br.


Britto: omissão do Congresso fez Judiciário legislar sobre greve

Brasília, 25/01/2008 - O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, Cezar Britto, em entrevista à revista "O Trabalho", criticou duramente o Poder Legislativo no Brasil pelo que chamou de "omissão legislativa e subserviência à vontade do Poder Executivo". Segundo observou, em função da omissão do Congresso nacional, que discute mais medidas provisórias que projetos de leis originários das duas Casas, em alguns casos o Poder Judiciário se vê na contingência de exercer o papel de legislador. No caso do Direito de greve dos servidores públicos, por exemplo, ele observou que "o Supremo Tribunal Federal supriu uma lacuna - até porque a Constituição já assim prevê, quando criou o instituto do Mandado de Injunção -, e decidiu bem".

Na entrevista, Britto destacou também a existência da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) como "importante instrumento social, hoje atacada por aqueles que vêem no trabalho mero custo de produção", e criticou a permanência da contribuição sindical obrigatória. "Espero que um dia ela deixe de existir e que o sindicato de empregado ou patronal tenha retribuição pela ação e não pela premiação obrigatória", disse.

Com relação ao processo eletrônico que começa a ser implantado no sistema judiciário brasileiro, o presidente nacional da OAB lembrou que a entidade ingressou com ação de inconstitucionalidade junto ao Supremo Tribunal Federal contra a lei que acaba com o processo em papel. Para ele, o processo totalmente eletrônico deve ser implantado gradualmente, até porque o formato papel "não pode ser abolido abruptamente face à exclusão digital ainda muito forte na categoria dos advogados".

A seguir, a íntegra da entrevista do presidente nacional da OAB:

P- Na área trabalhista, quais as prioridades, na sua gestão, na presidência da OAB Nacional?
R- O mundo vive um dilema em relação ao conceito de direito do trabalho, sob a compreensão e o papel do trabalho no mundo. O trabalho, ao longo da história, se configurou como fator da dignidade humana fundamental para permitir que o trabalhador, através dele, possa sobreviver, ter uma vida respeitável para si e para a sua família. Este conceito do direito do trabalho, hoje, choca-se com outro conceito, que é o trabalho como mero custo de produção. Um instrumento que atrapalha a competitividade das empresas, que no peso da balança social, ele seria mais prejudicial à saúde de um País do que favorável ao desenvolvimento deste mesmo País. São estes dois conceitos do Trabalho, que estão a dividir o mundo. Este é o dilema que nós vamos enfrentar. Hoje, a China passa a ser o paradigma para os países no campo da competitividade. E é exatamente na China que o trabalho é compreendido como fator de custo de produção. Talvez seja este, certamente o desafio do Conselho Federal, neste mandato, em relação ao Trabalho, principalmente, agora, que avizinha a discussão sob o novo Código do Trabalho para o Brasil. O Conselho Federal da OAB deverá se debruçar sob o tema, para que se faça prevalecer o conceito que sempre defendeu: que o trabalho é sempre e sempre será fator de dignidade humana, como consta na Carta Constitucional.

P- A CLT está superada?
R- A CLT foi escrita não apenas sobre e a inspiração do ex-presidente Getúlio Vargas. A CLT foi escrita ao longo do tempo, observando a evolução do trabalho, que antes era dedicado aos escravos, aos servos e aos explorados, para passar com avançar depois das mortes dos trabalhadores, de contestações, de conscientizações a ser encarado - ao longo do tempo - como fator de atividade humana, como forma de suavizar a exploração do homem pelo próprio homem. A CLT foi escrita ao longo do tempo, ao longo da história do Brasil. Por isso que é instrumento social e respeitável, simultaneamente atacada por aqueles que vêem no trabalho, mero custo de produção, como é o gás, como é qualquer coisa, como se fosse matéria-prima. É preciso não perder o rumo da história, o rumo do papel social da CLT, o rumo da função social do Estado, na distribuição da igualdade, na perpetuação da solidariedade. Este é o rumo e a preocupação que a OAB tem no que se refere ao novo texto do Código do Trabalho, até por que, nos dias de hoje, a China tem aparecido como paradigma, para ser copiado nos demais países.

P- Qual a sua sugestão para a mudança da Reforma Sindical e a obrigatoriedade da Contribuição Sindical?
R- A contribuição Sindical surge no Brasil como uma forma de contribuição retributiva a aqueles dirigentes sindicais, que eram permissos e que colaboravam com o Estado e por isso mesmo recebiam do Estado benefícios de uma remuneração obrigatória e que não precisava trabalhar em defesa da categoria, porque já estava garantida a sobrevivência de sua entidade. O Imposto Sindical, nome originário da Contribuição, era combatido por Sindicatos mais ativos, por este vício de origem. Entendo eu, que não modificou a compreensão do passado, como é compreendido hoje. A Contribuição Sindical ainda é uma imposição ao trabalhador que desestimula a ação sindical. Espero que um dia deixe de existir e que Sindicato de Empregado ou Patronal tenha retribuição pela ação e não premiação obrigatória. Quanto à necessidade permanente da negociação de empregado/empregador - esta é a virtude da CLT, que prestigia a negociação coletiva e a negociação direta - o importante é que o empregado e o empregador possam estabelecer condições de trabalho, para que possam - pela negociação - usufruir uma remuneração e um ambiente de trabalho de critérios e com entendimento saudável, que impere o entendimento e não a imposição.

P- Como vê a idéia da regulamentação de um novo tipo de contratação, no serviço público, como a sugestão dada pelo Ministério do Planejamento, de Fundações Estatais de Direito Público, como na atividade privada?
R- Nós compreendemos que o Estado deve ser um ente público que serve ao público e não se serve do público. Se nós compreendermos que o Estado não é propriedade privada, mas sim uma propriedade pública, não se pode aceitar como correta, reatribuir ao Administrador Público o poder discriminatório da contratação, como lhe é conveniente, contratar quem lhe fornece o maior lucro, ao contratar a quem lhe interessa politicamente. Não é essa a função do Estado. Por isso se construiu, no longo do tempo, o conceito da estabilidade e do concurso público, porque ambos adequam à função do Estado, ambos permitam que o Estado seja nos seus atos, impessoal, com observância da legalidade e moralidade. Flexibilizar estes conceitos constitucionais e permitir que o Estado controle os servidores celetistas, não-portadores de estabilidade, escolhidos - segundo o critério político - é um retrocesso muito grande. Espero que o Ministro do Planejamento recue essa propositura e respeite a Constituição Federal.

P- O Conselho Federal da OAB defende que as férias dos Juízes das Varas, coincidam com o recesso judicial?
R- As férias são conquistas de todos os trabalhadores. As férias têm o conceito de humanidade embutida que não pode ser revogado. O ser humano precisa parar para recarregar as suas baterias mentais e suas baterias físicas. Por isso, inclusive, que é proibido ao trabalhador em férias, receber outro trabalho em uma outra empresa. É considerado contravenção. Ora se todos têm direito às férias, não poderia ser diferente para o advogado. O advogado tem que gozar o seu direito de férias, durante um período que a justiça diminua a sua carga de trabalho, para dedicar-se mais às atividades internas e atualizar os seus débitos burocráticos, naquele período em que os processos estão desorganizados, possam a se organizar, e os juízes - que não têm tempo - pelo acúmulo da atividade - de proferir sentenças - possam administrar e por isso que chamamos de recesso. A compreensão que a OAB tem é de que o recesso deva coincidir com o planejamento estratégico do Poder Judiciário, devem coincidir com as férias da parte da magistratura e de parte com os servidores públicos. O que não pode é o recesso ser acrescido, como se fosse mais um tempo de férias aos servidores públicos. Este conceito de ampliação das férias é que a OAB tem rejeitado. É nossa sugestão de conciliarmos estes conceitos, deixando as férias do advogado que é importante e que o judiciário tenha um tempo para se organizar, que é o recesso, mas que as férias de seus servidores, coincidam com este período de diminuição natural do trabalho, sem ampliar o período de férias.

P- Como vê a informática no Judiciário e a adoção simples do Diário Oficial da Justiça eletrônica, com o abandono das edições em papel?
R- A OAB ajuizou uma Ação de Declaração de Inconstitucionalidade, no STF, para que se mantenha a intimação e a edição em papel. A forma de papel, ainda - na nossa compreensão - não poderá ser abolida totalmente, face à exclusão digital ainda ser muito forte da categoria dos advogados. O Judiciário tem que avançar no campo da informática e no campo da virtualização, pois ela além de reduzir custo, da estrutura do judiciário, ela colabora com a agilização. Daí porque a OAB tem celebrado convênios com vários tribunais, permitindo a troca de experiência de trabalho, para atingir esta informatização do Poder Judiciário.
Daí porque, a própria OAB investiu bem, em termos de montante, na substituição das Carteiras dos Advogados, que é o Cartão do Advogado, para que possa - através da própria Ordem - confirmar com confiança que o advogado peticione eletronicamente. Hoje, as Carteiras dos Advogados, já estão saindo como chips, permitindo ao advogado - através dela - peticionar eletronicamente e ter a sua assinatura digital comprovada. Aliás, a OAB é a única por força de lei, que pode atestar que aquela petição assinada, eletronicamente, leva o nome do advogado e tem - por trás dela - a certeza que ao advogado pertence à petição. Não se pode fugir da informatização do Judiciário, mas ela não pode ser feita com a rapidez tal, que exclua o advogado ou o cidadão.

P- A audiência única, na Justiça do Trabalho, no Rito Sumário ou Ordinário, ajuda na celeridade?
R- Tem ajudado na celeridade processual, mas ela comete - na forma da adoção atual - um desequilíbrio processual. E que o empregador ou a parte que é tem o conhecimento da ação com antecedência suficiente, para preparar uma boa defesa, enquanto que a parte do reclamante ou a parte autora, conforme o caso, somente tem na audiência a oportunidade para conhecer a defesa e dela se manifestar. Dá um desequilíbrio processual entre as partes. Um desequilíbrio que poderá ferir a Constituição, porque a Constituição pressupõe a igualdade processual. Por isso que se defende que a parte inicial da defesa ocorra na Secretaria da Vara, para quando começar a audiência única, todos já tenham a mesma igualdade e conhecimento, tanto da parte da autora, como da parte da defesa - quando apresentada à contestação - formado o processo em respeito à igualdade de condições.

P- Como vê a presença dos Advogados e seus honorários, no Processo do Trabalho?
R- A inexistência do Advogado - na Justiça do Trabalho - é de uma injustiça gritante no Brasil. É que para fazer a defesa - uma boa defesa - à qualidade técnica e o preparo intelectual é fundamental. E não se pode compreender como democrático peticionar com as próprias mãos “o fazer justiça”, sem conhecer a sua técnica. Este instrumento que permanece na Justiça do Trabalho, porque obriga o trabalhador lutar com o empregador, que, geralmente, tem advogado e em desigualdade de condições. Um com qualificação e outro sem qualificação. E assim pede e espera o ideal de justiça. A questão dos honorários, na Justiça do Trabalho, ainda mantém uma decisão injusta. Na Justiça do Trabalho, alguns instrumentos já trazem prejuízos, como a prescrição. Você tem na Justiça do Trabalho, uma prescrição curta e a seguinte situação: Se vale à pena não pagar direito, porque quando o empregado vai à Justiça, ele já tem furtado o seu direito pela prescrição de cinco anos e, ainda, se vê induzido a fazer um acordo que reduza mais o seu direito, naquela teoria de “Brocardo”: De que vale mais um acordo, do que uma causa mais justa, porque efetiva o resultado e é agravada com a obrigação de pagar os honorários dos advogados, retirando desse direito já reduzido e reconhecido pela Justiça, a parte que lhe caberia na Ação Judicial. Esta é uma injustiça gritante no Brasil, tanto a inexistência do advogado, na postulação das partes, como o pagamento dos honorários do advogado.

P- Como vê a adoção das Audiências de Conciliação, nas Varas do Trabalho e nos 24 TRTs, inclusive nas execuções trabalhistas?
R- O advogado está sendo chamado a pensar cada vez mais de forma conciliadora, de forma que o transforme num instrumento de mediação dos conflitos. Já conversamos com o Ministro da Justiça e com o Ministro da Educação e Cultura, para que crie, já, nas faculdades e, na prática diária, o hábito da mediação e conciliação dos advogados. A recente lei que põe fim ao divórcio consensual judicial, transferindo esta responsabilidade, da conciliação e mediação, para o advogado é o exemplo desses novos tempos. Portanto é louvável a iniciativa de criação de Juizados de Conciliação e mediação, no âmbito da Justiça do Trabalho, ainda mais na face de execução que é o gargalo da morosidade, na Justiça do Trabalho. O advogado treinado para conciliação da ação, tendo, na Justiça do Trabalho, a especialidade conciliatória inicial (Juntas de Conciliação e Julgamento). É importante a preservação, na Justiça do Trabalho, na sua função de justiça social e justiça especializada, na solução de conflitos e o conceito da conciliação que eu sempre defendi.

P- Como vê a exigência e a necessidade do Juiz Presidente de Vara Trabalhista, residir na cidade onde atua?
R- É fundamental que o Juiz resida na Comarca. O Juiz tem que conhecer a alma da cidade onde ele atual. Tem que conhecer as situações, tem que conhecer os costumes de quem está julgando. É por isso que é melhor a eficiência do Juiz dentro da Comarca. Não sei se o nosso legislador, para evidência ou mero diletantismo, ou para aumentar o coeficiente habitacional de uma cidade. Ele o faz, compreende que a Justiça é fundamental e a Justiça para trabalhar com os seus instrumentos e fundamentalidade e eqüidade, ele precisa conhecer e saber a vida da cidade. Residir na Comarca deveria ser - para a magistratura - a própria razão ser, para ficar mais perto do cidadão e da sociedade. Eu não compreendo quando o magistrado assim não entende. Isso quer dizer que ele não conhece a vida daqueles que está julgando.

P- O advogado trabalhista tem garantia de livre acesso aos autos, nas Varas e nos Tribunais, inclusive para tirar xérox se necessário?
R- A Justiça do Trabalho tem - a meu ver - a que mais tem cumprido e respeitado o Estatuto e as prerrogativas dos advogados. As audiências tem sido públicas e os Juízes trabalhistas recebem os advogados assim, que solicitados. A Justiça do Trabalho tem causado menos trauma no relacionamento advogados/magistrados, mas não significa que não se tenham conflitos. Alguns juízes ainda insistem e resistem em não receber advogados e algumas secretárias de Varas, insistem em não fornecer os autos aos advogados. Mas é importante que todos devam entender que o Estatuto da OAB é uma lei federal e assim todos estão obrigados a obedecer e o Estatuto permite e garante ao advogado acessar os autos a qualquer que seja ele, ainda, mesmo sem procuração e retirá-los se o processo estiver findo. Quem assim não procede, desrespeitando a lei.

P- Há necessidade de regulamentação da Lei de Greve no Serviço Público?
R- O Congresso Nacional, infelizmente para o Brasil, tem se especializado pela omissão legislativa e pela subserviência à vontade do Poder Executivo. Discute muito mais Medidas Provisórias e Projetos de Lei de iniciativa do Poder Executivo do que àquelas que deveriam ser originárias de seus pares e tem se recusado a fazer o seu papel fiscalizador, nas realizações das CPIs, destinadas à fiscalização do poder executivo e dos atos da coisa pública. Em função da omissão legislativa do Congresso, entre elas a de regulamentação do Direito de Greve dos servidores públicos, o STF supriu uma lacuna - até porque a Constituição já assim prevê, quando criou o Instituto do Mandato de Injunção - e decidiu bem. É melhor que tenhamos uma greve regulamentada pelo Congresso Nacional do que não termos nada regulamentado. Com a inexistência da regulamentação pairava a divergência desnecessária no âmbito do Poder Judiciário, que prejudicava os servidores públicos. O Melhor seria que o legislador cumprisse a sua função e ele próprio aprovasse a regulamentação da Lei de Greve, garantindo aos servidores públicos o seu direito de greve, como diz a Constituição.

P- Porque todo mundo diz: “A Justiça do Trabalho é tumultuada e uma feira, uma bagunça e o advogado nem precisa estudar muito”?
R- A Justiça do Trabalho, hoje copiada, como solução de conflito, que marca, por Vara, aproximadamente em média 20 audiências por dia, pressupõe que fora da audiência teremos no mínimo 40 pessoas reclamantes e reclamadas, se tem advogado, passaremos a ter 80 e se tem testemunha, cento e poucas pessoas no lado de fora. É um tumulto e como se diz: a feira que se aponta é exatamente porque tem muita gente trabalhando. Se a Justiça do Trabalho funcionasse como as outras, que marca uma ou duas audiências por dia, este tumulto não existiria, infelizmente para a cidadania. A outra virtude é a publicidade. Nós reclamamos e lutamos que a audiência seja pública e na Justiça do Trabalho a publicidade existe. As pessoas entram e saem das audiências, tornando mais transparente o ato processual o que é muito bom. Outro aspecto é a oralidade e a virtualização que exige o preparo maior do advogado, porque ele tem que receber o cliente, tem que rebater os argumentos ou a negativa da prestação jurisdicional, ali de público, diante das testemunhas, das pessoas, na frente de outros colegas, o que exige um preparo intelectual muito grande. Exige um conhecimento técnico muito forte. Por isso que a Justiça do Trabalho tem sido apontada como modelo de Justiça, a ser observada, pelos demais órgãos do Judiciário. Eu conclamo para encerrar a entrevista aos colegas Advogados Trabalhistas, Civilistas, Penalistas e todos e qualquer especialidade para que nos encontremos de 11 a 15 de novembro de 2008, na Conferência Nacional dos Advogados, que realizaremos na bela cidade de Natal. A “Conferência dos Advogados” é o maior órgão deliberativo da instituição. É ela que traça as normas e ações da OAB. Ela é fundamental para a sobrevivência da Ordem e da Advocacia. Por isso eu convido e conclamo aos colegas advogados que queiram ver e dirigir pessoalmente o trabalho, que lá compareçam - na Conferência - e nós ali estaremos aguardando ansiosamente, para determinar o rumo da advocacia atuante.

Fonte : OAB/CF

Religião faz crescer número de casamentos

A Síntese de Indicadores Sociais, publicação do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) que analisa as condições de vida da população brasileira, apontou na sua última edição, publicada no final de 2007, um aumento no número de casamentos realizados no país nos últimos seis anos. Somente entre 2004 e 2005 houve um aumento de 3,6% na formalização das uniões.

A contramão também cresceu. O número de divórcios no Brasil aumentou 7,4% no mesmo período (2005 em relação a 2004). Dentre as separações judiciais, a mais comum foi a consensual, isto é, quando as duas partes concordam com a separação, numa estimativa de 76,9%. Os estados onde as separações não-consensuais são mais comuns são Alagoas (54,6%), Pernambuco (45,4%), Maranhão (40,4%) e Amapá (44,9%).

Em Roraima, em 2005 (ano base da pesquisa), o índice de separações consensuais ficou em 63,5%, enquanto que as separações não-consensuais atingiram 36,5%. Já os casamentos atingiram a proporção de 87,3% no Estado (entre homens e mulheres solteiros). Aliás, o casamento entre pessoas solteiras também vem aumentando nos últimos anos. O Amazonas lidera o ranking no país, com 97%.

A região Norte também está deixando para casar mais tarde. Em Roraima, a idade média dos cônjuges é de 30 (homens) e 26 (mulheres). Em relação aos homens, os estados do Amapá (31,8 anos) e Acre (32 anos) são os que apresentaram as idades médias mais elevadas do país. Em relação às mulheres, o Amazonas e o Amapá apresentaram as idades mais avançadas, com 28,4 anos em ambos os estados.

O juiz de paz da Comarca de Boa Vista, Itamar Lamounier, disse que o número de casamentos se apresenta estável. Somente em janeiro ele já realizou 53 casamentos, em média, sendo que o mês ainda nem terminou. Essa estatística diz respeito somente aos casamentos realizados no cartório e na residência dos interessados.

“Dezembro e janeiro são os meses mais procurados para o casamento. No final do ano, as pessoas estão com o 13º salário na mão e tem as férias para viajar em lua-de-mel”, explicou Lamounier. Os casamentos são realizados sempre nas sextas-feiras, em cerimônia coletiva, nos cartórios.

A cerimônia é rápida. Em 20 minutos, os noivos estão casados. Após fazer um pequeno discurso exaltando os valores da união que se está contraindo, o juiz de paz segue o ritual legal estabelecido pelo artigo 1.535 do Código Civil, perguntando aos nubentes se é de livre e espontânea vontade que estão assumindo o compromisso.

Lamounier explicou que a idade dos casais é variada. Desde os muito jovens a pessoas que já passaram dos 50 anos. Outro aspecto bastante comum é o casamento apenas para oficializar uma união que já dura algum tempo. Um dado curioso apontado pelo juiz de paz é a oficialização da união por casais que se tornaram evangélicos. “São pessoas que já vivem juntas, mas, para freqüentar a igreja, procuram tornar a união oficial”, diz ele.

O tabelião José Coelho, do Cartório do 2º Ofício, na avenida Ataíde Teive, também aponta essa tendência em Roraima. “O número de casamentos é maior que o de divórcios aqui no Estado devido ao crescimento das igrejas evangélicas”, afirma.

Casamento como ritual de aceitação

O casamento é um ritual antigo, que acompanha a humanidade há milênios, sob as mais variadas formas e arranjos. O cientista social Paulo Roberto Siberino Racoski, professor da Universidade Federal de Roraima (UFRR) e da Faculdade Atual da Amazônia, afirmou que o casamento funciona como um ritual de aceitação. “Ele faz com que o indivíduo mude de categoria e status social, ou seja, passe do grupo dos solteiros para o dos casados”, disse.

O professor explicou que hoje a vontade de casar costuma surgir no momento em que os filhos ingressam na escola ou quando a situação financeira torna-se mais estável. “É muito mais uma questão de aceitação do próprio casal do que a preocupação com a sociedade”, disse.

Em relação à tendência apontada em Roraima, da procura pelo registro da união por conta do ingresso nas igrejas evangélicas, Racoski afirmou que o fenômeno tem relação com uma mudança de vida. “O ingresso na igreja significa um novo projeto de vida. É uma forma de recomeçar, de fazer tudo diferente. Isso também faz com que a procura por oficializar a união aumente, assim como a idéia de pertencimento ao grupo, de sentir-se igual aos que comungam da mesma fé”, explicou.

Fonte : Folha de Boa Vista - RR
ANOREG
24/01/2008

Anterior
 1  2  3  4  5  6  7  8  9  10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20  21  22  23  24  25  26  27  28  29  30  31  32  33  34  35  36  37  38  39  40  41  42  43  44  45  46  47  48  49  50  51  52  53  54  55  56  57  58  59  60  61  62  63  64  65  66  67  68  69  70  71  72  73  74  75  76  77  78  79  80  81  82  83  84  85  86  87  88  89  90  91  92  93  94  95  96  97  98  99  100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125  126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150  151  152  153  154  155  156  157  158  159  160  161  162  163  164  165  166  167  168  169  170  171  172  173  174  175  176  177  178  179  180  181  182  183  184  185  186  187  188  189  190  191  192  193  194  195  196  197  198  199  200  201  202  203  204  205  206  207  208  209  210  211  212  213  214  215  216  217  218  219  220  221  222  223  224  225  226  227  228  229  230  231  232  233  234  235  236  237  238  239  240  241  242  243  244  245  246  247  248  249  250  251  252  253  254  255  256  257  258  259  260  261  262  263  264  265  266  267  268  269  270  271  272  273  274  275  276  277  278  279  280  281  282  283  284  285  286  287  288  289  290  291  292  293  294  295  296  297  298  299  300  301  302  303  304  305  306  307  308  309  310  311  312  313  314  315  316  317  318  319  320  321  322  323  324  325  326  327  328  329  330  331  332  333  334  335  336  337  338  339  340  341  342  343  344  345  346  347  348  349  350  351  352  353  354  355  356  357  358  359  360  361  362  363  364  365  366  367  368  369  370  371  372  373  374  375  376  377  378  379  380  381  382  383  384  385  386  387  388  389  390  391  392  393  394  395  396  397  398  399  400  401  402  403  404  405  406  407  408  409  410  411  412  413  414  415  416  417  418  419  420  421  422  423  424  425  426  427  428  429  430  431  432  433  434  435  436  437  438  439  440  441  442  443  444  445  446  447  448  449  450  451  452  453  454  455  456  457  458  459  460  461  462  463  464  465  466  467  468  469  470  471  472  473  474  475  476  477  478  479  480  481  482  483  484  485  486  487  488  489  490  491  492  493  494  495  496  497  498  499  500  501  502  503  504  505  506  507  508  509  510  511  512  513  514  515  516  517  518  519  520  521  522  523  524  525  526  527  528  529  530  531  532  533  534  535  536  537  538  539  540  541  542  543  544  545  546  547  548  549  550  551  552  553  554  555  556  557  558  559  560  561  562  563  564  565  566  567  568  569  570  571  572  573  574  575  576  577  578  579  580  581  582  583  584  585  586  587  588  589  590  591  592  593  594  595  596  597  598  599  600  601  602  603  604  605  606  607  608  609  610  611  612  613  614  615  616  617  618  619  620  621  622  623  624  625  626  627  628  629  630  631  632  633  634  635  636  637  638  639  640  641  642  643  644  645  646  647  648  649  650  651  652  653  654  655  656  657  658  659  660  661  662  663  664  665  666  667  668  669  670  671  672  673  674  675  676  677  678  679  680  681  682  683  684  685  686  687  688  689  690  691  692  693  694  695  696  697  698  699  700  701  702  703  704  705  706  707  708  709  710  711  712  713  714  715  716  717  718  719  720  721  722  723  724  725  726  727  728  729  730  731  732  733  734  735  736  737  738  739  740  741  742  743  744  745  746  747  748  749  750  751  752  753  754  755  756  757  758  759  760  761  762  763  764  765  766  767  768  769  770  771  772  773  774  775  776  777  778  779  780  781  782  783  784  785  786  787  788  789  790  791  792  793  794  795  796  797  798  799  800  801  802  803  804  805  806  807  808  809  810  811  812  813  814  815  816  817  818  819  820  821  822  823  824  825  826  827  828  829  830  831  832  833  834  835  836  837  838  839  840  841  842  843  844  845  846  847  848  849  850  851  852  853  854  855  856  857  858  859  860  861  862  863  864  865  866  867  868  869  870  871  872  873  874  875  876  877  878  879  880  881  882  883  884  885  886  887  888  889  890  891  892  893  894  895  896  897  898  899  900  901  902  903  904  905  906  907  908  909  910  911  912  913  914  915  916  917  918  919  920  921  922  923  924  925  926  927  928  929  930  931  932  933  934  935  936  937  938  939  940  941  942  943  944  945  946  947  948  949  950  951  952  953  954  955  956  957  958  959  960  961  962  963  964  965  966  967  968  969  970  971  972  973  974  975  976  977  978  979  980  981  982  983  984  985  986  987  988  989  990  991  992  993  994  995  996  997  998  999  1000  1001  1002  1003  1004  1005  1006  1007  1008  1009  1010  1011  1012  1013  1014  1015  1016  1017  1018  1019  1020  1021  1022  1023  1024  1025  1026  1027  1028  1029  1030  1031  1032  1033  1034  1035  1036  1037  1038  1039  1040  1041  1042  1043  1044  1045  1046  1047  1048  1049  1050  1051  1052  1053  1054  1055  1056  1057  1058  1059  1060  1061  1062  1063  1064  1065  1066  1067  1068  1069  1070  1071  1072  1073  1074  1075  1076  1077  1078  1079  1080  1081  1082  1083  1084  1085  1086  1087  1088  1089  1090  1091  1092  1093  1094  1095  1096  1097  1098  1099  1100  1101  1102  1103  1104  1105  1106  1107  1108  1109  1110  1111  1112  1113  1114  1115  1116  1117  1118  1119  1120  1121  1122  1123  1124  1125  1126  1127  1128  1129  1130  1131  1132  1133  1134  1135  1136  1137  1138  1139  1140  1141  1142  1143  1144  1145  1146  1147  1148  1149  1150  1151  1152  1153  1154  1155  1156  1157  1158  1159  1160  1161  1162  1163  1164  1165  1166  1167  1168  1169  1170  1171  1172  1173  1174  1175  1176  1177  1178  1179  1180  1181  1182  1183  1184  1185  1186  1187  1188  1189  1190  1191  1192  1193  1194  1195  1196  1197  1198  1199  1200  1201  1202  1203  1204  1205  1206  1207  1208  1209  1210  1211  1212  1213  1214  1215  1216  1217  1218  1219  1220  1221  1222  1223  1224  1225  1226  1227  1228  1229  1230  1231  1232  1233  1234  1235  1236  1237  1238  1239  1240  1241  1242  1243  1244  1245  1246  1247  1248  1249  1250  1251  1252  1253  1254  1255  1256  1257  1258  1259  1260  1261  1262  1263  1264  1265  1266  1267  1268  1269  1270  1271  1272  1273  1274  1275  1276  1277  1278  1279  1280  1281  1282  1283  1284  1285  1286  1287  1288  1289  1290  1291  1292  1293  1294  1295  1296  1297  1298  1299  1300  1301  1302  1303  1304  1305  1306  1307  1308  1309  1310  1311  1312  1313  1314  1315  1316  1317  1318  1319  1320  1321  1322  1323  1324  1325  1326  1327  1328  1329  1330  1331  1332  1333  1334  1335  1336  1337  1338  1339  1340  1341  1342  1343  1344  1345  1346  1347  1348  1349  1350  1351  1352  1353  1354  1355  1356  1357  1358  1359  1360  1361  1362  1363  1364  1365  1366  1367  1368  1369  1370  1371  1372  1373  1374  1375  1376  1377  1378  1379  1380  1381  1382  1383  1384  1385  1386  1387  1388  1389  1390  1391  1392  1393  1394  1395  1396  1397  1398  1399  1400  1401  1402  1403  1404  1405  1406  1407  1408  1409  1410  1411  1412  1413  1414  1415  1416  1417  1418  1419  1420  1421  1422  1423  1424  1425  1426  1427  1428  1429  1430  1431  1432  1433  1434  1435  1436  1437  1438  1439  1440  1441  1442  1443  1444  1445  1446  1447  1448  1449  1450  1451  1452  1453  1454  1455  1456  1457  1458  1459  1460  1461  1462  1463  1464  1465  1466  1467  1468  1469  1470  1471  1472  1473  1474  1475  1476  1477  1478  1479  1480  1481  1482  1483  1484  1485  1486  1487  1488  1489  1490  1491  1492  1493  1494  1495  1496  1497  1498  1499  1500  1501  1502  1503  1504  1505  1506  1507  1508  1509  1510  1511  1512  1513  1514  1515  1516  1517  1518  1519  1520  1521  1522  1523  1524  1525  1526  1527  1528  1529  1530  1531  1532  1533  1534  1535  1536  1537  1538  1539  1540  1541  1542  1543  1544  1545  1546  1547  1548  1549  1550  1551  1552  1553  1554  1555  1556  1557  1558  1559  1560  1561  1562  1563  1564  1565  1566  1567  1568  1569  1570  1571  1572  1573  1574  1575  1576  1577  1578  1579  1580  1581  1582  1583  1584  1585  1586  1587  1588  1589  1590  1591  1592  1593  1594  1595  1596  1597  1598  1599  1600  1601  1602  1603  1604  1605  1606  1607  1608  1609  1610  1611  1612  1613  1614  1615  1616  1617  1618  1619  1620  1621  1622  1623  1624  1625  1626  1627  1628  1629  1630  1631  1632  1633  1634  1635  1636  1637  1638  1639  1640  1641  1642  1643  1644  1645  1646  1647  1648  1649  1650  1651  1652  1653  1654  1655  1656  1657  1658  1659  1660  1661  1662  1663  1664  1665  1666  1667  1668  1669  1670  1671  1672  1673  1674  1675  1676  1677  1678  1679  1680  1681  1682  1683  1684  1685  1686  1687  1688  1689  1690  1691  1692  1693  1694  1695  1696  1697  1698  1699  1700  1701  1702  1703  1704  1705  1706  1707  1708  1709  1710  1711  1712  1713  1714  1715  1716  1717  1718  1719  1720  1721  1722  1723  1724  1725  1726  1727  1728  1729  1730  1731  1732  1733  1734  1735  1736  1737  1738  1739  1740  1741  1742  1743  1744  1745  1746  1747  1748  1749  1750  1751  1752  1753  1754  1755  1756  1757  1758  1759  1760  1761  1762  1763  1764  1765  1766  1767  1768  1769  1770  1771  1772  1773  1774  1775  1776  1777  1778  1779  1780  1781  1782  1783  1784  1785  1786  1787  1788  1789  1790  1791  1792  1793  1794  1795  1796  1797  1798  1799  1800  1801  1802  1803  1804  1805  1806  1807  1808  1809  1810  1811  1812  1813  1814  1815  1816  1817  1818  1819  1820  1821  1822  1823  1824  1825  1826  1827  1828  1829  1830  1831  1832  1833  1834  1835  1836  1837  1838  1839  1840  1841  1842  1843  1844  1845  1846  1847  1848  1849  1850  1851  1852  1853  1854  1855  1856  1857  1858  1859  1860  1861  1862  1863  1864  1865  1866  1867  1868  1869  1870  1871  1872  1873  1874  1875  1876  1877  1878  1879  1880  1881  1882  1883  1884  1885  1886  1887  1888  1889  1890  1891  1892  1893  1894  1895  1896  1897  1898  1899  1900  1901  1902  1903  1904  1905  1906  1907  1908  1909  1910  1911  1912  1913  1914  1915  1916  1917  1918  1919  1920  1921  1922  1923  1924  1925  1926  1927  1928  1929  1930  1931  1932  1933  1934  1935  1936  1937  1938  1939  1940  1941  1942  1943  1944  1945  1946  1947  1948  1949  1950  1951  1952  1953  1954  1955  1956  1957  1958  1959  1960  1961  1962  1963  1964  1965  1966  1967  1968  1969  1970  1971  1972  1973  1974  1975  1976  1977  1978  1979  1980  1981  1982  1983  1984  1985  1986  1987  1988  1989  1990  1991  1992  1993  1994  1995  1996  1997  1998  1999  2000  2001  2002  2003  2004  2005  2006  2007  2008  2009  2010  2011  2012  2013  2014  2015  2016  2017  2018  2019  2020  2021  2022  2023  2024  2025  2026  2027  2028  2029  2030  2031  2032  2033  2034  2035  2036  2037  2038  2039  2040  2041  2042  2043  2044  2045  2046  2047  2048  2049  2050  2051  2052  2053  2054  2055  2056  2057  2058  2059  2060  2061  2062  2063  2064  2065  2066  2067  2068  2069  2070  2071  2072  2073  2074  2075  2076  2077  2078  2079  2080  2081  2082  2083  2084  2085  2086  2087  2088  2089  2090  2091  2092  2093  2094  2095  2096  2097  2098  2099  2100  2101  2102  2103  2104  2105  2106  2107  2108  2109  2110  2111  2112  2113  2114  2115  2116  2117  2118  2119  2120  2121  2122  2123  2124  2125  2126  2127  2128  2129  2130  2131  2132  2133  2134  2135  2136  2137  2138  2139  2140  2141  2142  2143  2144  2145  2146  2147  2148  2149  2150  2151  2152  2153  2154  2155  2156  2157  2158  2159  2160  2161  2162  2163  2164  2165  2166  2167  2168  2169  2170  2171  2172  2173  2174  2175  2176  2177  2178  2179  2180  2181  2182  2183  2184  2185  2186  2187  2188  2189  2190  2191  2192  2193  2194  2195  2196  2197  2198  2199  2200  2201  2202  2203  2204  2205  2206  2207  2208  2209  2210  2211  2212  2213  2214  2215  2216  2217  2218  2219  2220  2221  2222  2223  2224  2225  2226  2227  2228  2229  2230  2231  2232
Nova pagina 1
  COLUNAS LC
  Direitos das Mulheres
 Advocacia
 Assédio Moral
 Benefícios
 Biossegurança
 Bullying
 Cheques
 Cidadania
 Colunas
 Comunidade Jurídica
 Concurso Público
 Condomínios
 Conselho de Justiça Federal
 Contrato de Trabalho
 Defensoria Pública
 Direito de Família e Sucessões
 DNA
 Documentos
 Doenças Profissionais
 Dumping Social
 Educação
 Entrevistas
 Estagiários
 FGTS
 Frases Circunstanciais
 Fundos de Pensão
 Glossário
 Hist. das Constituições
 Horas Extras
 Imposto de Renda
 Info. Históricas do Brasil
 Injustiça
 Justiça na Alemanha
 Lei 11.382/06 - Lei de execução de títulos extrajudiciais
 Lei 11.441/2007
 Lei nº 11.232/22.12.2005- Lei de execução civil
 Política
 Prefeitos e Vereadores
 Repercussão Geral
 Saúde
 Servidor Público
 Sinopses de textos
 Textos diversos
  FAÇA LOGIN
Login:

Senha:



  PUBLICIDADE



  PESQUISA
O que achou do site?
Excelente
Ótimo
Bom
Razoável
Ruim