Curitiba, 
Nova pagina 1
  MENU PRINCIPAL
 Galeria de Fotos
 Fale Conosco
 Usuários
 Pagina Inicial
 Presidentes do Brasil
 Busca de Cep
 Busca de Cartórios
 Conheça o Brasil
 Governadores do Paraná - Imperial
 Governadores do Paraná - Republicano
COLUNAS LC
 Acidente de trabalho
 Ambiental
 Aposentadoria
 Arbitragem
 Atividade eventual
 Bancos
 Bem de Família
 Câmaras de Vereadores
 Cartão de crédito
 Célebres Julgamentos
 Conselho Nacional de Justiça
 Conselho Nacional de Justiça(CNJ)
 Conselho Tutelar
 Constituição Federal
 Contratos
 Cooperativas de crédito
 Cooperativas de Trabalho
 Crianças e Adolescentes
 Danos morais
 Direito Constitucional
 Direito do Consumidor
 Direito Empresarial
 Direitos do Empregador
 Direitos doTrabalhador
 Discriminação
 Emenda Constitucional 45/04
 Frases que marcaram
 Hist.Partidos Políticos
 IDOSOS
 Juizados Especiais
 Juizados Especiais
 Justa Causa
 Justiça Eleitoral
 Justiça On-Line
 Latim
 Leis
 Magistratura
 Ministério Público
 Municípios
 O.A.B
 Pensão Alimentícia
 Pensionistas
 Poder é Poder
 Portadores de Necessidades Especiais
 Precatórios
 Prefeituras
 RECURSOS
 Rural
 Sindicatos
 SÚMULAS
 TERCEIRIZAÇÃO
 Terceiro Setor
 Textos sucintos e interessantes
 Trabalhista
 União Estável
  NEWS LETTER
  
Trabalho discute reestruturação do Banco do Brasil

A Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público realiza audiência pública hoje para debater o Plano de Reestruturação do Banco do Brasil. O debate foi solicitado pelos deputados Daniel Almeida (PCdoB-BA), Pompeo de Mattos (PDT-RS) e Tarcísio Zimmermann (PT-SP). Os deputados querem esclarecer as medidas para reestruturação que podem envolver cortes de custos administrativos, centralização de atividades, redução de 3.900 postos de trabalho, incentivos à demissão voluntária, antecipação de aposentadorias e terceirização de mão-de-obra.

Foram convidados para a audiência o presidente do Banco do Brasil, Antonio Francisco de Lima Neto; o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro da CUT (Contraf-CUT), Vagner Freitas de Moraes; o diretor-administrativo da Federação dos Bancários do Rio Grande do Sul, Mauro Rui Tellitu Cardenas; e o representante da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil Marcel Barros.

A audiência está marcada para as 14 horas, no plenário 7.

Fonte : Agência Câmara
23/05/2007 10h01

Saliva permite detecção rápida da hepatite A

Uma nova metodologia para detecção do vírus da hepatite A com base em amostras de saliva, desenvolvida pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC), pode contribuir para o controle epidemiológico da doença durante surtos. Ao contrário do diagnóstico com base em amostras de sangue, usado atualmente, o método inédito validado pelo Laboratório de Desenvolvimento Tecnológico em Virologia do IOC permite identificar os casos da doença mesmo em pessoas infectadas que estão no chamado período de janela imunológica (antes de produzirem anticorpos para combater o vírus).

A pesquisa, desenvolvida durante o mestrado da biomédica Luciane Amado, analisou 127 pessoas envolvidas em um surto da doença ocorrido em outubro de 2005 em uma creche municipal localizada na comunidade do Jacarezinho, no Rio de Janeiro. Apenas em 2005, a hepatite A atingiu mais de 18 mil brasileiros, segundo dados do Ministério da Saúde.
Fonte : Fiocruz
23/05/2007

Banco de Petições facilita trabalho na DPU

Brasília (DPGU) - Uma inovação que vai garantir mais celeridade ao trabalho dos Defensores Públicos da União e qualidade na prestação de serviços da Instituição. É com essa filosofia que entrou em funcionamento o Banco de Dados de Petições e Peças Processuais, um novo serviço que a DPU coloca à disposição de todos os Defensores Públicos e servidores com acesso ao e-Paj, o Processo Eletrônico de Assistência Jurídica. A nova “ferramenta” entrou em funcionamento dentro das comemorações do Dia Nacional da Defensoria Pública.

Segundo o Defensor Público-Geral da União em exercício, Leonardo Lorea Mattar, “o banco surgiu como uma antiga demanda dos colegas para troca de informações nas mais diversas áreas em que atuamos. Antes, fazíamos isso através da nossa lista de discussões. Agora, estamos organizando através do nosso sistema eletrônico para que fique à disposição de todos de uma forma mais clara, objetiva e imediata”.

Para a elaboração do Banco de Petições, foi criada um Grupo de Trabalho no final do mês de novembro do ano passado, formado pelos Defensores Públicos Afonso Carlos Roberto do Prado, Dennis Otte Lacerda, Frederico Rodrigues Viana de Lima e João Márcio Simões, que elaboraram o projeto nacional. “Foi um trabalho excepcional de todo o conjunto. Mas destaco o empenho e dedicação pessoal do Defensor Público Afonso do Prado, presidente do grupo. Além de coordenar o trabalho, ele executou o projeto. A administração superior só precisou operacionalizá-lo”, ressaltou Leonardo Lorea Mattar.

O Banco de Petições já entrou em funcionamento com um significativo número de peças processuais que estão servindo para consultas dos Defensores Públicos da União em todo o país. O próximo passo agora é estabelecer uma forma de trabalho para que novas petições sejam recebidas, selecionadas e incluídas no sistema. Para a administração superior da Defensoria Pública da União, este é apenas um primeiro passo na modernização dos processos de trabalhos internos, que certamente vai evoluir com a contribuição de toda a categoria.

“Tendo uma fonte segura e eficiente de pesquisas, o trabalho dos Defensores Públicos é facilitado. Aí, conseqüentemente, ganhará celeridade. Então, quanto mais conseguirmos alimentar esse banco e quanto mais peças qualificadas e bem sistematizadas nós tivermos à disposição de toda a categoria, mais estaremos colaborando para o trabalho eficiente dos Defensores Públicos da União e conseqüentemente para um serviço público de melhor qualidade”, reforçou o Leonardo Lorea Mattar
Fonte : Defensoria Pública da União
22/05/2007

Segurança: questão de humanidade

Desembargador Orlando Adão Carvalho
Presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Desumanidade – essa parece ser a marca que nos está sendo imposta pelos tempos atuais, de muita máquina, tempo virtual, grandes quantidades, em detrimento da qualidade e, acima de tudo, do sentimento. E as nossas instituições deparam-se, a todo o momento, com a dura realidade que está pesando sobre a cabeça do homem.

Por meio do “Fale com o Presidente”, canal direto de comunicação desta Administração do TJMG com o público interno, um servidor se ressente com a situação que ele mesmo descreve: “Fiquei muito triste ao ver um senhor, de mais ou menos 60 anos de idade, testemunha num processo de usucapião, dormindo na rodoviária, porque a audiência foi realizada às 17h30; o último ônibus para o distrito em que ele mora saía às 16 horas, e o senhor não tinha dinheiro para pagar diária do hotel.”

No documentário “Justiça”, de 2004, com direção e roteiro de Maria Augusta Ramos, produção executiva de Jan de Ruiter e Luís Vidal, baseado em fatos verídicos do Rio de Janeiro, um juiz interroga um homem acusado de assalto. O magistrado insiste, friamente, na participação do interrogado no crime enquanto este argumenta que, de cadeira de rodas, não teria condições de participar do assalto. O juiz não olha para a pessoa que está ali à sua frente, as perguntas são feitas, maquinalmente, sem se ater ao conteúdo das respostas emitidas.

Em uma crônica de Carlos Heitor Cony, com o título “A justiça será feita” (Folha de São Paulo, 27-4-07), o juiz conversa com o repórter – este tenta convencer o magistrado de que a suposta vítima, que se acreditava assassinada, na verdade, estaria viva, “gozando de boa saúde”. Mas, nenhum argumento consegue convencer o juiz, que, diante de todas as considerações, sustenta que o processo estaria encerrado e nada mais poderia ser juntado aos autos, que, depois de encerrado o prazo, nada mais poderia aparecer, que o réu seria julgado, e o tribunal só se ateria às provas dos autos.

Para concluir a série de exemplos, citamos agora o filme “Proibido Proibir”, uma co-produção do Brasil e Chile, com direção de Jorge Durán. A história gira em torno de um triângulo amoroso envolvendo três universitários, que têm suas vidas alteradas pela violência urbana. O longa mostra o desamparo dos estudantes ao atravessarem o limite invisível, mas absolutamente real, da cidade do Rio de Janeiro. Eles se envolvem com criminosos e não têm a quem recorrer, uma vez que as instituições, em princípio de proteção, estariam por detrás da violência, gerando um sentimento de impotência e desesperança.

Foram citados, acima, exemplos reais e da ficção. Então, cabe-nos perguntar: Qual seria o fator a motivar tanta criminalidade? Leiam, atenciosamente, esta citação: “As pessoas não respeitam nada hoje em dia. Houve um tempo em que a virtude, a honra, a verdade e a lei eram colocadas num pedestal. Nossos filhos eram educados para respeitar certas coisas.” E ainda: “O lar é o nosso aliado mais importante. (...) Quanto mais fortes forem os nossos lares, mais forte será a nação.” Imaginem que essas palavras vieram de um “fora da lei’.

Vocês podem acreditar ou não, mas o certo é que o pensamento foi expresso pelo conhecido gângster americano Al Capone, que fez fortuna com o contrabando de bebidas durante o período da Lei Seca nos Estados Unidos. A declaração consta da entrevista de 17 de outubro de 1931, concedida ao jornalista Cornelius Vanderbilt Jr., repórter especial da revista Liberty. Al Capone era popular no submundo de Chicago, fazendo doações a entidades assistenciais, fornecendo sopa e promovendo festas para famílias pobres.

Quanta contradição nos revela este mundo, criado pelo próprio homem. Não estamos acima do bem e do mal, e ninguém escapa da realidade, que tem provocado muita insegurança e medo. A idéia simplista de associar criminalidade à pobreza não encontra amparo nos fatos; se isso fosse procedente, o Vale do Jequitinhonha seria a região mais violenta de Minas Gerais – mas esta não é a verdade. E, por incrível que pareça, não faltam vozes a repetir o que disse Al Capone. Hoje, não se cultivam virtudes, existe uma falta de sentido e um grande vazio.

Diante de todas essas considerações, o que se poderia dizer hoje sobre as gangues de jovens que atemorizam a Região da Savassi, em Belo Horizonte? São filhos de classe média, pessoas que, a princípio, não estariam passando por um grau de carência insuportável e, se é que se pode dizer isso, a justificar tal onda de criminalidade.

Cada vez mais, a violência está associada às drogas, incluindo as aceitas socialmente, como o álcool. Muitos estudiosos acreditam que a combinação juventude, falta de limites e drogas tem agravado a criminalidade. Admite-se que os atos cometidos por jovens, pela própria imaturidade e falta de percepção das conseqüências, geralmente, são mais graves ou cruéis.

Diante de uma situação tão complexa, é preciso discutir constantemente a questão da segurança pública, fazer estudos e pensar em soluções. O sociólogo alemão Max Weber postula ser o Estado a entidade que possui o monopólio do uso legítimo da ação coercitiva. Ele frisa que é “fatal” para o Estado não ter os instrumentos para exercer essa coerção, ocasionando perda de poder.

A segurança pública é responsabilidade do Estado, envolvendo todos os órgãos do Poder, incluídas, é claro, aquelas instituições específicas, criadas para esse fim. Além disso, a sociedade também precisa fazer a sua parte. A própria Constituição Federal, em seu artigo 144, prevê: “A segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio (...)”.

Atualmente, mais que ações repressoras, é preciso ter em mente a prevenção, o que pressupõe investimento em educação, saúde, justiça, em políticas de bem-estar social. A questão dos valores, desenvolvidos a partir do núcleo familiar, partindo para a escola e demais núcleos da vida social, precisa ser ressaltada.

Retomando à questão inicial proposta, é preciso repensar a onda de impessoalidade e materialização da vida e das relações. Rever essa premissa falsa de que os problemas são do outro, que a miséria, a fraqueza ou a agressividade não nos dizem respeito. São nossas as dificuldades da humanidade e só poderemos revertê-las juntos, com afeto e compromisso.

ARTIGO PUBLICADO NO CADERNO "DIREITO & JUSTIÇA" DO JORNAL "ESTADO DE MINAS", NO DIA 21/05/2007.

Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais
23/05/2007

Aprovada indicação do Depoimento Sem Dano
no ECA e Código Civil

O modelo utilizado no Juizado da Infância e da Juventude (JIJ) de Porto Alegre para inquirição de crianças e adolescentes, vítimas de abuso sexual, poderá ser recomendado em lei nacional. O Projeto de Lei (PL Nº 4.126) com a proposta de alteração do Código de Processo Penal e do Estatuto da Criança e do Adolescente, de iniciativa da Deputada Maria do Rosário, foi aprovado recentemente pela Câmara dos Deputados. (Confira abaixo a íntegra do Substitutivo)

Depoimento sem Dano

Experiência pioneira no Brasil, o projeto “Depoimento sem Dano” (DSD) foi implantado em 2003 na 2ª Vara do JIJ da Capital, com o objetivo de promover a proteção psicológica das vítimas, permitindo a realização de instrução criminal tecnicamente mais apurada. O DSD prevê a possibilidade de produção antecipada de prova no processo penal, antes do ajuizamento da ação, para evitar que a criança seja revitimizada com sucessivas inquirições nos âmbitos administrativo, policial e judicial.

A sistemática permite a realização de audiência, simultaneamente, em duas salas interligadas por equipamentos de som e imagem. Em recinto reservado, a vítima presta depoimento a uma Psicóloga ou Assistente Social. Na sala de audiências ficam Juiz, Promotor, Advogado e partes. O magistrado faz as inquirições por intermédio do profissional que se encontra com a vítima que, dessa forma, não se expõe a outras pessoas. Simultaneamente é efetivada a gravação de som e imagem em CD, que é anexado aos autos do processo judicial.

(Maria Helena Gozzer Benjamin)

SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 4.126, DE 2004

(DA COMISSÃO PARLAMENTAR MISTA DE INQUÉRITO)

Acrescenta a Seção VIII ao Capítulo III – Dos Procedimentos – do Título VI – Do Acesso à Justiça – da Parte Especial da Lei nº 8.069 de 13 de julho de 1990 – Estatuto da Criança e do Adolescente, dispondo sobre a forma de inquirição de testemunhas e produção antecipada de prova quando se tratar de delitos tipificados no Título VI, Capítulo I, do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 — Código Penal, com vítima ou testemunha criança ou adolescente e acrescenta o Art. 469-A ao Decreto-Lei nº 3.689 de 03 de outubro de 1941 – Código de Processo Penal.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º. Esta Lei acrescenta a Seção VIII no Capítulo III – Dos Procedimentos – do Título VI – Do Acesso à Justiça – da Parte Especial da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 – Estatuto da Criança e do Adolescente, dispondo sobre a forma de inquirição de testemunhas e produção antecipada de prova quando se tratar de delitos tipificados no Título VI, Capítulo I, do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 — Código Penal, com vítima ou testemunha criança ou adolescente e acrescenta o Art. 469-A ao Decreto-Lei nº 3.689 de 03 de outubro de 1941 – Código de Processo Penal.

Art. 2.º Acrescenta-se ao Capítulo III do Título VI da Parte Especial da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990, a seguinte Seção VIII:

“Seção VIII

Disposições Especiais Relativas à Inquirição de Testemunhas e Produção Antecipada de Prova nos Crimes Contra a Dignidade Sexual com Vítima ou Testemunha Criança ou Adolescente

Subseção I

Da Inquirição de Testemunhas

Art. 197-A. Far-se-á a inquirição judicial de criança e adolescente, vítima ou testemunha, quando se tratar de crime contra a dignidade sexual, na forma prevista nesta Seção e com os seguintes objetivos:

I – Para salvaguardar a integridade física, psíquica e emocional do depoente, considerada a sua condição peculiar de pessoa em desenvolvimento;

II – Por motivo de idade do depoente, para que a perda da memória dos fatos não advenha em detrimento da apuração da verdade real;

III – Para evitar a revitimização do depoente, com sucessivas inquirições sobre o mesmo fato, nos âmbitos criminal, cível e administrativo.

Art. 197-B. Na inquirição de criança e adolescente, vítima ou testemunha de delitos de que trata essa Seção, adotar-se-á, preferencialmente, o seguinte procedimento:

I — A inquirição será feita em recinto diverso da sala de audiências, especialmente projetado para esse fim, o qual conterá os equipamentos próprios e adequados à idade e à etapa evolutiva do depoente;

II — Os profissionais presentes à sala de audiências participarão da inquirição através de equipamento de áudio e vídeo, ou de qualquer outro meio técnico disponível;

III — A inquirição será intermediada por profissional devidamente designado pela autoridade judiciária, o qual transmitirá ao depoente as perguntas do Juiz e das partes;

IV — O depoimento será registrado por meio eletrônico ou magnético, cuja degravação e mídia passarão a fazer parte integrante do processo.

Parágrafo único: A autoridade judiciária, de ofício ou a requerimento das partes, poderá adotar idêntico procedimento em relação a crimes diversos dos tutelados por esta Seção, quando, em razão da natureza do delito, forma de cometimento, gravidade e conseqüências, verificar que a presença da criança ou adolescente na sala de audiências possa prejudicar o depoimento ou constituir fator de constrangimento em face de sua condição peculiar de pessoa em desenvolvimento.

Subseção II

Da Produção Antecipada de Provas

Art. 197-C Para apuração dos crimes previstos no artigo anterior será permitida a produção antecipada de prova.

Art. 197-D O pedido de produção antecipada de prova poderá ser determinado de ofício pelo Juiz ou proposto por pelo Ministério Público ou advogados das partes, através de manifestação fundamentada, com referência aos fatos sobre os quais a prova haverá de recair.

Art. 197-E A produção antecipada de prova poderá consistir em inquirição de testemunha ou vítima e exame pericial.

§ 1º Tratando-se de inquirição de vítima ou testemunha, será intimado o interessado a comparecer à audiência em que será o depoimento prestado, inclusive para que se faça acompanhar de advogado, ao qual será fornecida cópia da justificativa apresentada pelo Ministério Público. Ausente o interessado na audiência de inquirição, ou, estando presente, se não possuir procurador constituído, ser-lhe-á nomeado defensor dativo.

§ 2º Sendo hipótese de prova pericial, esta deverá ser realizada por perito oficial ou, na falta, por duas pessoas idôneas, portadoras de curso superior, nomeadas pelo Juiz, facultada a indicação de assistentes técnicos e apresentação de quesitos.

Art. 197-F Realizada a produção antecipada em caráter preparatório, entendendo a autoridade judiciária ou o Ministério Público que os fatos relatados poderão ensejar a instauração de inquérito policial ou procedimento perante o Conselho Tutelar, providenciará que haja encaminhamento às autoridades competentes de cópia do laudo pericial ou do depoimento e da mídia contendo sua gravação, conforme o caso.

§ 1.º Tratando-se de prova oral, efetivada a produção antecipada, o depoimento instruirá o inquérito policial, o expediente administrativo perante o Conselho Tutelar ou quaisquer expedientes perante o Ministério Público, sendo vedada a reinquirição do depoente, exceto se for ela autorizada judicialmente.

§ 2. A reinquirição do depoente, após iniciada ação judicial, constituir-se-á em medida excepcional, devendo ser pormenorizadamente fundamentada.

Art. 3.º Acrescenta-se ao Decreto-Lei nº 3.689 de 03 de outubro de 1941 – Código de Processo Penal - o seguinte Art. 469-A:

Art. 469-A Nos processos de competência do Tribunal do Júri, tendo a inquirição do depoente sido realizada na forma da Seção VIII do Capítulo III do Título VI da Parte Especial da Lei nº 8.069 de 13 de julho de 1990, poderá a autoridade judiciária indeferir a sua reinquirição em plenário quando houver justo receio de que esta possa causar-lhe quaisquer dos danos elencados no Art. 197-A da referida Lei.”

Art. 4º Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.



Sala das sessões, .........................................

Dep. Maria do Rosário PT/RS

Fonte : TJ/RS

Anterior
 1  2  3  4  5  6  7  8  9  10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20  21  22  23  24  25  26  27  28  29  30  31  32  33  34  35  36  37  38  39  40  41  42  43  44  45  46  47  48  49  50  51  52  53  54  55  56  57  58  59  60  61  62  63  64  65  66  67  68  69  70  71  72  73  74  75  76  77  78  79  80  81  82  83  84  85  86  87  88  89  90  91  92  93  94  95  96  97  98  99  100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125  126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150  151  152  153  154  155  156  157  158  159  160  161  162  163  164  165  166  167  168  169  170  171  172  173  174  175  176  177  178  179  180  181  182  183  184  185  186  187  188  189  190  191  192  193  194  195  196  197  198  199  200  201  202  203  204  205  206  207  208  209  210  211  212  213  214  215  216  217  218  219  220  221  222  223  224  225  226  227  228  229  230  231  232  233  234  235  236  237  238  239  240  241  242  243  244  245  246  247  248  249  250  251  252  253  254  255  256  257  258  259  260  261  262  263  264  265  266  267  268  269  270  271  272  273  274  275  276  277  278  279  280  281  282  283  284  285  286  287  288  289  290  291  292  293  294  295  296  297  298  299  300  301  302  303  304  305  306  307  308  309  310  311  312  313  314  315  316  317  318  319  320  321  322  323  324  325  326  327  328  329  330  331  332  333  334  335  336  337  338  339  340  341  342  343  344  345  346  347  348  349  350  351  352  353  354  355  356  357  358  359  360  361  362  363  364  365  366  367  368  369  370  371  372  373  374  375  376  377  378  379  380  381  382  383  384  385  386  387  388  389  390  391  392  393  394  395  396  397  398  399  400  401  402  403  404  405  406  407  408  409  410  411  412  413  414  415  416  417  418  419  420  421  422  423  424  425  426  427  428  429  430  431  432  433  434  435  436  437  438  439  440  441  442  443  444  445  446  447  448  449  450  451  452  453  454  455  456  457  458  459  460  461  462  463  464  465  466  467  468  469  470  471  472  473  474  475  476  477  478  479  480  481  482  483  484  485  486  487  488  489  490  491  492  493  494  495  496  497  498  499  500  501  502  503  504  505  506  507  508  509  510  511  512  513  514  515  516  517  518  519  520  521  522  523  524  525  526  527  528  529  530  531  532  533  534  535  536  537  538  539  540  541  542  543  544  545  546  547  548  549  550  551  552  553  554  555  556  557  558  559  560  561  562  563  564  565  566  567  568  569  570  571  572  573  574  575  576  577  578  579  580  581  582  583  584  585  586  587  588  589  590  591  592  593  594  595  596  597  598  599  600  601  602  603  604  605  606  607  608  609  610  611  612  613  614  615  616  617  618  619  620  621  622  623  624  625  626  627  628  629  630  631  632  633  634  635  636  637  638  639  640  641  642  643  644  645  646  647  648  649  650  651  652  653  654  655  656  657  658  659  660  661  662  663  664  665  666  667  668  669  670  671  672  673  674  675  676  677  678  679  680  681  682  683  684  685  686  687  688  689  690  691  692  693  694  695  696  697  698  699  700  701  702  703  704  705  706  707  708  709  710  711  712  713  714  715  716  717  718  719  720  721  722  723  724  725  726  727  728  729  730  731  732  733  734  735  736  737  738  739  740  741  742  743  744  745  746  747  748  749  750  751  752  753  754  755  756  757  758  759  760  761  762  763  764  765  766  767  768  769  770  771  772  773  774  775  776  777  778  779  780  781  782  783  784  785  786  787  788  789  790  791  792  793  794  795  796  797  798  799  800  801  802  803  804  805  806  807  808  809  810  811  812  813  814  815  816  817  818  819  820  821  822  823  824  825  826  827  828  829  830  831  832  833  834  835  836  837  838  839  840  841  842  843  844  845  846  847  848  849  850  851  852  853  854  855  856  857  858  859  860  861  862  863  864  865  866  867  868  869  870  871  872  873  874  875  876  877  878  879  880  881  882  883  884  885  886  887  888  889  890  891  892  893  894  895  896  897  898  899  900  901  902  903  904  905  906  907  908  909  910  911  912  913  914  915  916  917  918  919  920  921  922  923  924  925  926  927  928  929  930  931  932  933  934  935  936  937  938  939  940  941  942  943  944  945  946  947  948  949  950  951  952  953  954  955  956  957  958  959  960  961  962  963  964  965  966  967  968  969  970  971  972  973  974  975  976  977  978  979  980  981  982  983  984  985  986  987  988  989  990  991  992  993  994  995  996  997  998  999  1000  1001  1002  1003  1004  1005  1006  1007  1008  1009  1010  1011  1012  1013  1014  1015  1016  1017  1018  1019  1020  1021  1022  1023  1024  1025  1026  1027  1028  1029  1030  1031  1032  1033  1034  1035  1036  1037  1038  1039  1040  1041  1042  1043  1044  1045  1046  1047  1048  1049  1050  1051  1052  1053  1054  1055  1056  1057  1058  1059  1060  1061  1062  1063  1064  1065  1066  1067  1068  1069  1070  1071  1072  1073  1074  1075  1076  1077  1078  1079  1080  1081  1082  1083  1084  1085  1086  1087  1088  1089  1090  1091  1092  1093  1094  1095  1096  1097  1098  1099  1100  1101  1102  1103  1104  1105  1106  1107  1108  1109  1110  1111  1112  1113  1114  1115  1116  1117  1118  1119  1120  1121  1122  1123  1124  1125  1126  1127  1128  1129  1130  1131  1132  1133  1134  1135  1136  1137  1138  1139  1140  1141  1142  1143  1144  1145  1146  1147  1148  1149  1150  1151  1152  1153  1154  1155  1156  1157  1158  1159  1160  1161  1162  1163  1164  1165  1166  1167  1168  1169  1170  1171  1172  1173  1174  1175  1176  1177  1178  1179  1180  1181  1182  1183  1184  1185  1186  1187  1188  1189  1190  1191  1192  1193  1194  1195  1196  1197  1198  1199  1200  1201  1202  1203  1204  1205  1206  1207  1208  1209  1210  1211  1212  1213  1214  1215  1216  1217  1218  1219  1220  1221  1222  1223  1224  1225  1226  1227  1228  1229  1230  1231  1232  1233  1234  1235  1236  1237  1238  1239  1240  1241  1242  1243  1244  1245  1246  1247  1248  1249  1250  1251  1252  1253  1254  1255  1256  1257  1258  1259  1260  1261  1262  1263  1264  1265  1266  1267  1268  1269  1270  1271  1272  1273  1274  1275  1276  1277  1278  1279  1280  1281  1282  1283  1284  1285  1286  1287  1288  1289  1290  1291  1292  1293  1294  1295  1296  1297  1298  1299  1300  1301  1302  1303  1304  1305  1306  1307  1308  1309  1310  1311  1312  1313  1314  1315  1316  1317  1318  1319  1320  1321  1322  1323  1324  1325  1326  1327  1328  1329  1330  1331  1332  1333  1334  1335  1336  1337  1338  1339  1340  1341  1342  1343  1344  1345  1346  1347  1348  1349  1350  1351  1352  1353  1354  1355  1356  1357  1358  1359  1360  1361  1362  1363  1364  1365  1366  1367  1368  1369  1370  1371  1372  1373  1374  1375  1376  1377  1378  1379  1380  1381  1382  1383  1384  1385  1386  1387  1388  1389  1390  1391  1392  1393  1394  1395  1396  1397  1398  1399  1400  1401  1402  1403  1404  1405  1406  1407  1408  1409  1410  1411  1412  1413  1414  1415  1416  1417  1418  1419  1420  1421  1422  1423  1424  1425  1426  1427  1428  1429  1430  1431  1432  1433  1434  1435  1436  1437  1438  1439  1440  1441  1442  1443  1444  1445  1446  1447  1448  1449  1450  1451  1452  1453  1454  1455  1456  1457  1458  1459  1460  1461  1462  1463  1464  1465  1466  1467  1468  1469  1470  1471  1472  1473  1474  1475  1476  1477  1478  1479  1480  1481  1482  1483  1484  1485  1486  1487  1488  1489  1490  1491  1492  1493  1494  1495  1496  1497  1498  1499  1500  1501  1502  1503  1504  1505  1506  1507  1508  1509  1510  1511  1512  1513  1514  1515  1516  1517  1518  1519  1520  1521  1522  1523  1524  1525  1526  1527  1528  1529  1530  1531  1532  1533  1534  1535  1536  1537  1538  1539  1540  1541  1542  1543  1544  1545  1546  1547  1548  1549  1550  1551  1552  1553  1554  1555  1556  1557  1558  1559  1560  1561  1562  1563  1564  1565  1566  1567  1568  1569  1570  1571  1572  1573  1574  1575  1576  1577  1578  1579  1580  1581  1582  1583  1584  1585  1586  1587  1588  1589  1590  1591  1592  1593  1594  1595  1596  1597  1598  1599  1600  1601  1602  1603  1604  1605  1606  1607  1608  1609  1610  1611  1612  1613  1614  1615  1616  1617  1618  1619  1620  1621  1622  1623  1624  1625  1626  1627  1628  1629  1630  1631  1632  1633  1634  1635  1636  1637  1638  1639  1640  1641  1642  1643  1644  1645  1646  1647  1648  1649  1650  1651  1652  1653  1654  1655  1656  1657  1658  1659  1660  1661  1662  1663  1664  1665  1666  1667  1668  1669  1670  1671  1672  1673  1674  1675  1676  1677  1678  1679  1680  1681  1682  1683  1684  1685  1686  1687  1688  1689  1690  1691  1692  1693  1694  1695  1696  1697  1698  1699  1700  1701  1702  1703  1704  1705  1706  1707  1708  1709  1710  1711  1712  1713  1714  1715  1716  1717  1718  1719  1720  1721  1722  1723  1724  1725  1726  1727  1728  1729  1730  1731  1732  1733  1734  1735  1736  1737  1738  1739  1740  1741  1742  1743  1744  1745  1746  1747  1748  1749  1750  1751  1752  1753  1754  1755  1756  1757  1758  1759  1760  1761  1762  1763  1764  1765  1766  1767  1768  1769  1770  1771  1772  1773  1774  1775  1776  1777  1778  1779  1780  1781  1782  1783  1784  1785  1786  1787  1788  1789  1790  1791  1792  1793  1794  1795  1796  1797  1798  1799  1800  1801  1802  1803  1804  1805  1806  1807  1808  1809  1810  1811  1812  1813  1814  1815  1816  1817  1818  1819  1820  1821  1822  1823  1824  1825  1826  1827  1828  1829  1830  1831  1832  1833  1834  1835  1836  1837  1838  1839  1840  1841  1842  1843  1844  1845  1846  1847  1848  1849  1850  1851  1852  1853  1854  1855  1856  1857  1858  1859  1860  1861  1862  1863  1864  1865  1866  1867  1868  1869  1870  1871  1872  1873  1874  1875  1876  1877  1878  1879  1880  1881  1882  1883  1884  1885  1886  1887  1888  1889  1890  1891  1892  1893  1894  1895  1896  1897  1898  1899  1900  1901  1902  1903  1904  1905  1906  1907  1908  1909  1910  1911  1912  1913  1914  1915  1916  1917  1918  1919  1920  1921  1922  1923  1924  1925  1926  1927  1928  1929  1930  1931  1932  1933  1934  1935  1936  1937  1938  1939  1940  1941  1942  1943  1944  1945  1946  1947  1948  1949  1950  1951  1952  1953  1954  1955  1956  1957  1958  1959  1960  1961  1962  1963  1964  1965  1966  1967  1968  1969  1970  1971  1972  1973  1974  1975  1976  1977  1978  1979  1980  1981  1982  1983  1984  1985  1986  1987  1988  1989  1990  1991  1992  1993  1994  1995  1996  1997  1998  1999  2000  2001  2002  2003  2004  2005  2006  2007  2008  2009  2010  2011  2012  2013  2014  2015  2016  2017  2018  2019  2020  2021  2022  2023  2024  2025  2026  2027  2028  2029  2030  2031  2032  2033  2034  2035  2036  2037  2038  2039  2040  2041  2042  2043  2044  2045  2046  2047  2048  2049  2050  2051  2052  2053  2054  2055  2056  2057  2058  2059  2060  2061  2062  2063  2064  2065  2066  2067  2068  2069  2070  2071  2072  2073  2074  2075  2076  2077  2078  2079  2080  2081  2082  2083  2084  2085  2086  2087  2088  2089  2090  2091  2092  2093  2094  2095  2096  2097  2098  2099  2100  2101  2102  2103  2104  2105  2106  2107  2108  2109  2110  2111  2112  2113  2114  2115  2116  2117  2118  2119  2120  2121  2122  2123  2124  2125  2126  2127  2128  2129  2130  2131  2132  2133  2134  2135  2136  2137  2138  2139  2140  2141  2142  2143  2144  2145  2146  2147  2148  2149  2150  2151  2152  2153  2154  2155  2156  2157  2158  2159  2160  2161  2162  2163  2164  2165  2166  2167  2168  2169  2170  2171  2172  2173  2174  2175  2176  2177  2178  2179  2180  2181  2182  2183  2184  2185  2186  2187  2188  2189  2190  2191  2192  2193  2194  2195  2196  2197  2198  2199  2200  2201  2202  2203  2204  2205  2206  2207  2208  2209  2210  2211  2212  2213  2214  2215  2216  2217  2218  2219  2220  2221  2222  2223  2224  2225  2226  2227  2228  2229  2230  2231  2232  2233  2234  2235  2236  2237  2238  2239  2240  2241  2242  2243  2244  2245  2246  2247  2248  2249  2250  2251  2252
Nova pagina 1
  COLUNAS LC
  Direitos das Mulheres
 Advocacia
 Assédio Moral
 Benefícios
 Biossegurança
 Bullying
 Cheques
 Cidadania
 Colunas
 Comunidade Jurídica
 Concurso Público
 Condomínios
 Conselho de Justiça Federal
 Contrato de Trabalho
 Defensoria Pública
 Direito de Família e Sucessões
 DNA
 Documentos
 Doenças Profissionais
 Dumping Social
 Educação
 Entrevistas
 Estagiários
 FGTS
 Frases Circunstanciais
 Fundos de Pensão
 Glossário
 Hist. das Constituições
 Horas Extras
 Imposto de Renda
 Info. Históricas do Brasil
 Injustiça
 Justiça na Alemanha
 Lei 11.382/06 - Lei de execução de títulos extrajudiciais
 Lei 11.441/2007
 Lei nº 11.232/22.12.2005- Lei de execução civil
 Política
 Prefeitos e Vereadores
 Repercussão Geral
 Saúde
 Servidor Público
 Sinopses de textos
 Textos diversos
  FAÇA LOGIN
Login:

Senha:



  PUBLICIDADE



  PESQUISA
O que achou do site?
Excelente
Ótimo
Bom
Razoável
Ruim