Curitiba, 
Nova pagina 1
  MENU PRINCIPAL
 Galeria de Fotos
 Fale Conosco
 Usuários
 Pagina Inicial
 Presidentes do Brasil
 Busca de Cep
 Busca de Cartórios
 Conheça o Brasil
 Governadores do Paraná - Imperial
 Governadores do Paraná - Republicano
COLUNAS LC
 Acidente de trabalho
 Ambiental
 Aposentadoria
 Arbitragem
 Atividade eventual
 Bancos
 Bem de Família
 Câmaras de Vereadores
 Cartão de crédito
 Célebres Julgamentos
 Conselho Nacional de Justiça
 Conselho Nacional de Justiça(CNJ)
 Conselho Tutelar
 Constituição Federal
 Contratos
 Cooperativas de crédito
 Cooperativas de Trabalho
 Crianças e Adolescentes
 Danos morais
 Direito Constitucional
 Direito do Consumidor
 Direito Empresarial
 Direitos do Empregador
 Direitos doTrabalhador
 Discriminação
 Emenda Constitucional 45/04
 Frases que marcaram
 Hist.Partidos Políticos
 IDOSOS
 Juizados Especiais
 Juizados Especiais
 Justa Causa
 Justiça Eleitoral
 Justiça On-Line
 Latim
 Leis
 Magistratura
 Ministério Público
 Municípios
 O.A.B
 Pensão Alimentícia
 Pensionistas
 Poder é Poder
 Portadores de Necessidades Especiais
 Precatórios
 Prefeituras
 RECURSOS
 Rural
 Sindicatos
 SÚMULAS
 TERCEIRIZAÇÃO
 Terceiro Setor
 Textos sucintos e interessantes
 Trabalhista
 União Estável
  NEWS LETTER
  
Tesouro terá que divulgar dívidas com bancos públicos


O relatório final da proposta da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), aprovado na quarta-feira na Comissão Mista de Orçamento (CMO), traz uma modificação importante no texto da lei. O Tesouro Nacional será obrigado a divulgar, bimestralmente, o saldo devido pelo governo a instituições financeiras públicas, como a Caixa Econômica Federal. A emenda que inclui a obrigação é de autoria do senador Aécio Neves (PSDB-MG).

O objetivo do dispositivo é acompanhar possíveis retenções de recursos feitas pelo Tesouro para fazer o superavit primário. A oposição afirma que o governo vem atrasando repasses para os bancos com o objetivo de segurar a despesa e “inflar” o superavit primário.

Balanço
Esses repasses são oriundos de obrigações do Tesouro que são operacionalizadas pelos bancos públicos, que atuam apenas como agentes financeiros. Um exemplo seriam os benefícios assistenciais, como o Bolsa Família. A Caixa estaria pagando os beneficiários, mas o Tesouro não estaria repassando os recursos para o banco. O saldo devedor só era visto no balanço trimestral do banco, já que o governo não divulga.

A emenda acatada permitirá o acompanhamento dos eventuais saldos devedores a cada bimestre. Também permitirá acompanhar o represamento da multa de 10% do FGTS paga pelo empregador, que o Tesouro não está transferindo para o fundo desde 2012, como determina a legislação.

Investimentos sem lei
O senador Vital do Rêgo decidiu retirar os investimentos do rol de despesas que poderão ser executadas em 2015 caso a proposta orçamentária não seja sancionada até 31 de dezembro. A exclusão dos investimentos foi uma exigência da oposição.

A execução de despesas na ausência da lei orçamentária é chamada no jargão técnico de “regra de antevigência”. Pelo texto aprovado nesta quarta-feira, o governo poderá realizar gastos com despesas obrigatórias, como pagamento de servidores públicos, dos fundos de participação dos estados e municípios (FPE e FPM) e dos benefícios da Previdência, entre outros, mesmo sem orçamento em vigor.

Também poderá executar gastos correntes de caráter inadiável, um conceito amplo que atende quase todas as despesas de custeio. Isso já dá para o governo uma ampla margem de execução orçamentária sem lei sancionada.

Segundo o texto aprovado, a realização dessas despesas fica limitada ao duodécimo, ou seja, serão pagas até o limite de 1/12 da dotação total.

Despesas com pessoal
O relator também acolheu outra mudança relevante. Ele decidiu manter no texto da LDO um mecanismo que impede o Congresso Nacional, o Judiciário, o Ministério Público da União e a Defensoria Pública da União de cancelar despesas discricionárias (não obrigatórias) e remanejar o valor, via decreto do poder, para despesa obrigatória.

Na prática, se a medida fosse autorizada, um desses poderes poderia tirar recurso de investimento para suplementar despesa com pessoal. Com a manutenção do texto, somente o Executivo não está impedido de fazer este tipo de remanejamento no âmbito do seu orçamento.

O dispositivo constava do projeto original da LDO enviado pelo governo, mas foi retirado por Vital do Rêgo. Ele decidiu manter a proibição de remanejamento após pedido do deputado governista Paulo Pimenta (PT-RS).

Íntegra da proposta:
PLN-3/2014

Reportagem – Janary Júnior
Edição – Pierre Triboli

Fonte : Agência Câmara
11/12/2014 - 00h50

Projeto dá direito a voto a acionistas minoritários em assembleia de credores

O Projeto de Lei 7603/14, em análise na Câmara dos Deputados, garante ao acionista minoritário o direito a voto nas assembleias-gerais de credores, caso se trate de empresa constituída na forma de sociedade anônima em processo de recuperação judicial ou falência.

Pela proposta, do deputado Carlos Bezerra (PMDB-MT), esse direito será assegurado sempre que a assembleia for deliberar sobre qualquer mudança relevante na sociedade que possa atingir os direitos relativos a essa classe de acionistas. O projeto altera a Lei de Falências (11.101/05).

De acordo com Bezerra, nos processos de recuperação judicial ou de falência, “tem-se observado que, no caso de sociedades anônimas, os direitos dos acionistas minoritários vêm sucumbindo”. Isso ocorre, segundo afirma, devido à falta de previsão legal que lhes permita participar das assembleias com direito a voto.

Último da fila
O deputado cita artigo do advogado Leonardo Adriano Ribeiro Dias sobre o tema. O especialista explica que nos processos recuperacionais há uma multiplicidade de interesses: de trabalhadores, fornecedores, clientes, financiadores, Fisco. Segundo sustenta, os acionistas, especialmente os minoritários, “encontram-se marginalizados”.

Nesses casos, o advogado ressalta que, se decretada a falência da sociedade, os acionistas minoritários receberiam apenas eventual saldo da liquidação do ativo, após o pagamento de todos os credores.

Tramitação
O projeto foi encaminhado para análise conclusiva das comissões de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Reportagem – Maria Neves
Edição – Marcos Rossi

Fonte : Agência Câmara
12/12/2014 - 08h28

Pensionistas do INSS não são obrigados a devolver benefício recebido de boa-fé


A 2.ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1.ª Região negou recurso apresentado pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que pretendia suspender o pagamento de benefício, pensão por morte, a dois pensionistas, sob a alegação de que fora constatado erro no momento de sua concessão.

Em primeira instância, a sentença proferida pela Subseção Judiciária de Uberaba (MG) confirmou a liminar e concedeu a segurança para determinar à autarquia que se abstenha de suspender o pagamento de pensão por morte aos impetrantes.

O processo chegou ao TRF1 por meio de remessa oficial. Trata-se de um instituto previsto no Código de Processo Civil (artigo 475) que exige que o juiz singular mande o processo para o tribunal de segunda instância, havendo ou não apelação das partes, sempre que a sentença for contrária a algum ente público. A sentença só produzirá efeitos depois de confirmada pelo tribunal.

No recurso, o INSS sustenta que foi concedido ao cônjuge da atual pensionista, inicialmente, auxílio-doença, convertido posteriormente em aposentadoria por invalidez de forma errônea pela administração do INSS e sem a solicitação do beneficiário. Posteriormente, em 2006, foi deferida a aposentadoria por idade, que, após o falecimento do segurado, foi transformada na pensão por morte. Por essa razão, o INSS requereu o ressarcimento dos valores pagos indevidamente a título de aposentadoria por invalidez, sob pena de suspensão do benefício.

Seguindo jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e no entendimento do relator do caso, juiz federal Cleberson José Rocha, é sem cabimento a pretensão do INSS de tentar requerer o ressarcimento dos valores pagos irregularmente e suspender o benefício.

“Assim, mostra-se incabível a devolução ao erário dos valores indevidamente recebidos, eis que a jurisprudência assentou que o segurado não deve ser compelido a devolver aos cofres públicos o que indevidamente recebeu de boa-fé, tendo em vista a irrepetibilidade dos vencimentos e a boa-fé no recebimento”, explicou o juiz Cléberson Rocha.

Com esses fundamentos, o magistrado negou provimento à remessa oficial, determinando a continuidade do pagamento da pensão.

A decisão foi unânime.

Processo n.º 0004259-69.2007.4.01.3802
Data do julgamento: 12/11/2014
Publicação no diário oficial (e-dJF1): 03/12/2014

LC

Assessoria de Comunicação Social
Tribunal Regional Federal da 1.ª Região

Fonte : TRF/1ªRegião
11/12/14 16:55

Artigo: Regime de Bens: Eficácia "post mortem" - Moacyr Petrocelli de Ávila Ribeiro


Passando em revista alguns julgados do Superior Tribunal de Justiça saltou aos olhos a necessidade de refletir sobre o diálogo fundamental que deve existir entre o regime de bens eleito pelo casal e o direito sucessório.



Já não é mais novidade que o Código Civil de 2002 trouxe substanciosas alterações ao direito sucessório, reformando, inclusive, algumas pilastras essenciais do sistema jurídico, dentre as quais merecem destaque: a elevação do cônjuge à condição de herdeiro necessário; a novel previsão do direito real de habitação; o tratamento sucessório do companheiro, de forma diferenciada, em dispositivo distinto (o polêmico art. 1790 do Código Civil), entre outras mudanças. Passado mais de uma década de vigência doCódigo Reale, doutrina e jurisprudência têm apontado a necessidade de reforma do direito sucessório brasileiro, que em muitas situações já se tem mostrado obsoleto, inoperável e pouco efetivo.



Dispositivo dos mais debatidos no Judiciário é o art. 1.829 do Código Civil, que dispõe sobre a ordem de vocação hereditária. Seu inciso I, apesar da redação truncada, veicula preceito de relevância destacada, ao abordar a concorrência sucessória entre o cônjuge sobrevivente e os descendentes do de cujus.



Antes de abordar propriamente o tema central, motivador dessas breves considerações, faz-se necessário recordar, ainda que de passagem, alguns aspectos basilares do direito sucessório. Aliás, questões que tais são de interesse comum, eis que não há ser humano que passe por este mundo sem se submeter ao direito sucessório, ou seja, tais questões afetam a vida prática dos cidadãos brasileiros. Daí a importância de sua detida análise técnica.

Preambularmente, impende relembrar que o art. 1829, I, do Código Civil, ao tratar do regime concorrencial sucessório do cônjuge supérstite e os descendentes do de cujus, exige a aferição imediata do regime de bens que regia o matrimônio do casal. Suplantada esta análise, como “regra de ouro”, o vigente Codex concede direito à herança ao cônjuge para os casos em que a meação não exista. Em palavras outras, a teleologia do sistema atual pode ser resumida da seguinte forma: havendo meação do cônjuge (a ser apurada de acordo com o regime de bens), não haverá concorrência com os descendentes; e, não havendo meação do cônjuge, haverá concorrência sucessória com os descendentes. Em síntese, o professor Cláudio Luis Bueno de Godoy em expressão pouco sonora e muito didática, define: “onde o cônjuge herda não meia; onde meia não herda”.



Nesse particular, afigura-se imprescindível fazer um aparte para que se evite confusão comum quanto aos institutos da meação e sucessão.



A meação é um direito individual e fundamental do cônjuge (e do companheiro), aliás, reflexo do caputdo art. 5º da Constituição Federal, no qual está consagrado o direito de propriedade ao lado de outros direitos imprescindíveis, como à vida, à liberdade, à igualdade, e à segurança. O substantivo meação, que deriva do verbo “mear”, nada mais é do que a simples atribuição dos bens a cada um dos cônjuges, que unidos trabalharam (em planos diferentes) para construir o patrimônio que – por ocasião da dissolução da sociedade conjugal (divórcio, separação, morte e anulação) – deverá ser partido ao meio, meado.



De fato, a confusão ocorre porque uma das hipóteses de dissolução da sociedade conjugal coincide com a premissa básica das sucessões, o falecimento. Assim, com a morte de um dos cônjuges, o primeiro raciocínio jurídico que se deve elaborar, nos regimes que assim permitem, é que metade dos bens adquiridos na constância do casamento deverá ser entregue nas mãos do seu verdadeiro proprietário, o cônjuge sobrevivente. Sobre a outra metade é que o instituto da sucessão encontra terreno fértil.



Ainda em sede propedêutica, em rápido cotejo dos principais regimes de bens com eventual concorrência sucessória do cônjuge, tem-se positivado na Lei Civil que: (i) se no casamento vigorou o regime da separação convencional, como não haverá meação do cônjuge, haverá direito à herança em concorrência com os descendentes do de cujus; (ii) tratando-se do regime da comunhão universal, o cônjuge será meeiro e, portanto, não fará jus à concorrência sucessória com os descendentes do falecido; (iii) no regime da comunhão parcial, mantém-se a mens legis, e haverá concorrência apenas se o de cujus deixar bens particulares – e apenas nestes –, pois quanto ao patrimônio comum do casal, amealhado a partir do casamento, haverá apenas meação.



Sintetizando o regime concorrencial existente em sede sucessória entre o cônjuge sobrevivente e os descendentes do de cujus, quadra citar o esclarecedor Enunciado 270 do CJF: “O art. 1829, inc. I, só assegura ao cônjuge sobrevivente o direito de concorrência com os descendentes do autor da herança quando casados no regime da separação convencional de bens ou, se casados nos regimes da comunhão parcial ou participação final nos aquestos, o falecido possuísse bens particulares, hipótese em que a concorrência se restringe a tais bens, devendo os bens comuns (meação) ser partilhados exclusivamente entre os descendentes”.



Nesse ambiente, é patente que o regime de bens, além de ser o conjunto de normas que disciplina a relação jurídico-patrimonial entre os cônjuges durante o matrimônio, possui reflexos importantíssimos no fim do casamento em virtude da morte de um dos cônjuges.



Superadas as considerações preliminares, agora devidamente alocados no tema, parte-se para a questão fulcral: o Superior Tribunal de Justiça, em alguns precedentes, tem demonstrado que as regras da concorrência sucessória do cônjuge com os descendentes dode cujus necessitam ser reavaliadas pela comunidade jurídica, pois, em muitas situações, o que os cônjuges estabelecem em vida acerca do regime patrimonial acaba sendo diametralmente transmudado pelo direito sucessório em vigor. Em síntese, a questão posta em debate é uma só: o regime de bens deve ou não produzir efeitos para após a morte de um dos cônjuges?



Há duas linhas de raciocínio antagônicas para debater o tema.



Repita-se que o tema vem sendo tangenciado pelo Superior Tribunal de Justiça, recentemente, em diversas oportunidades. Entretanto, dado ao elevado grau de tecnicidade que a questão foi enfrentada, assim como seu caráter pedagógico, elege-se julgamento realizado pela Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (REsp. 1.472.945/RJ, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, julgado em 23/10/2014)como representativo da controvérsia e passa-se a esmiuçar o tema. Na hipótese, diga-se, o julgamento deu-se por maioria, nos termos do voto do Relator, vencido o Ministro Moura Ribeiro.



Calha anotar, de plano, que no caso em testilha questionava-se a interpretação a ser dada ao artigo 1.829, I, do Código Civil, no que se refere ao regime da separação convencional de bens, visando definir a possibilidade de participação da cônjuge supérstite na sucessão, na condição de herdeira.



A orientação defendida pelo relator, ministro Ricardo Villas Bôas Cueva, valoriza o direito positivo e rechaça a possibilidade do regime de bens gerar efeitos após a morte de um dos cônjuges. Argumentou-se que a análise post mortem não se refere à comunicação de patrimônio em si, não se podendo confundir regime de bens com direito sucessório.



Colhe-se, nesse sentido, ilustrativo parágrafo da lavra do relator: “(...) Com efeito, importante sublinhar que o pacto antenupcial somente pode dispor sobre a comunicação ou não de bens e o modo de administração do patrimônio no curso do casamento, não podendo invadir, por óbvio, outras searas, dentre as quais se destaca a do direito sucessório, cujo fato gerador é a morte de um dos cônjuges e não, como cediço, a vida em comum. As situações, por serem distintas, não comportam tratamento homogêneo, à luz do princípio da especificidade”. Noutro linguajar, não se poderia presumir que o pacto antenupcial seja fruto do desejo dos nubentes em perpetuar a intransmissibilidade entre seus patrimônios.



Afirmou-se, ainda, que pensar diferente seria viabilizar, por vias transversas, a pacta corvina(convenção sobre herança de pessoa viva), que, como sabido, cuida-se de prática abominada pelo ordenamento jurídico (art. 426 do Código Civil).



Em arremate à fundamentação que sustenta a literalidade do texto legal, também foi evocado que o objetivo da regra do art. 1.829 do Código Civil é garantir o sustento do cônjuge supérstite e, em última análise, a sua própria dignidade, já que, em razão do regime de bens, poderia ficar à mercê de toda sorte e azar em virtude do falecimento de seu cônjuge. Assim, a concorrência justificar-se-ia justamente por esse motivo, coadunando-se com a finalidade protetiva do cônjuge no campo do direito sucessório, almejada pelo legislador, em histórico avanço, devendo-se observar o princípio do retrocesso social – argumento este bem desenvolvido outrora pelo ministro Luis Felipe Salomão (vide: STJ –REsp 1.329.993/RS, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 17/12/2013).



De outra banda, a orientação contrária à retromencionada, responde afirmativamente à indagação proposta e frisa que ao se atribuir direito sucessório ao cônjuge casado sob regime da separação convencional de bens teria o legislador invadido a autonomia privada e abalado um dos pilares do ordenamento jurídico no que se refere ao regime de bens matrimonial, por permitir a comunicação post mortem do patrimônio.



Registre-se que a posição que será doravante abordada – a qual endossamos – parece, em análise descuidada, abalroar o atual direito positivo, especialmente o art. 1.829, I, do Código Civil. No entanto, tem sido aderida por parte da doutrina civilista e constantemente abraçada pela Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça, reforçando-se o convite para o debate e amadurecimento do tema.



De saída, convém esclarecer que dentre os princípios que norteiam os regimes de bens no direito brasileiro está o da liberdade de escolha (art. 1.639, § 1º, do Código Civil). É dizer, de regra, os nubentes podem, de acordo com sua autonomia privada e liberdade de opção, escolher o regime que melhor lhes aprouver. O Estado apenas intervém nessa liberdade, mitigando-a, quando há motivo relevante para tanto, fazendo-o por meio de norma específica, isto é, impondo este ou aquele regime patrimonial.



Nesse caminho, aproveitando o substrato fático do julgado acima apartado, imagine-se que, por hipótese, o casamento foi celebrado pelo regime da separação convencional de bens, ou seja, ambos os cônjuges, de comum acordo, celebraram um contrato pré-matrimonial estabelecendo que não haverá comunhão patrimonial em virtude do casamento. Ora, significa que o casal escolheu, conjuntamente, mediante pacto antenupcial, a separação do patrimônio.



Nessa ordem de ideias, nada mais natural de que, com a morte de um dos cônjuges, aquilo que foi de comum acordo estabelecido em vida possa produzir efeitos jurídicos regulares, isto é, a incomunicabilidade patrimonial. A mensagem exegética é, sim, no sentido de que há eficácia post mortem do regime de bens matrimonial. Quer dizer, não há como violentar a vontade do cônjuge, após a sua morte, concedendo a herança ao sobrevivente com quem ele nunca quis compartilhar seu patrimônio(Vide nesse sentido: STJ – REsp nº 992.749, Rel. Min. Nancy Andrighi). Se em vida, os cônjuges de comum acordo estabeleceram um regime patrimonial, por que deve haver inversão dessa situação quando da morte de um deles?



Definitivamente parece não ter andado bem o legislador ao dispor sobre o assunto no art. 1829, I, do Código Civil.



Refutando os argumentos da corrente anterior, parece claro como a luz solar que não há que se confundir regime de bens e direito sucessório, mas há que se interpretar de forma sistemática, os dispositivos legais que permitam a preservação dos fins da livre manifestação de vontade admitida pela lei.



Com arrimo nesse raciocínio, transcreve-se ponderação certeira de Eduardo de Oliveira Leite, oportunamente citado pelo Ministro Moura Ribeiro no voto que abriu a divergência no julgamento in examen: “A coerência e cientificidade de Reale mais uma vez se impõe: desconsiderar os efeitos decorrentes do regime da separação convencional revela-se, senão difícil, impossível, e desconsiderar a vontade manifesta das partes materializada no pacto antenupcial implicaria invalidar um ato jurídico formal, que produziu todos os efeitos durante a vida comum do casal e, pois, não poderia deixar de valer após a morte de um de seus subscritores” (TEIXEIRA, Sálvio de Figueiredo (Coord.) “Comentários ao Novo Código Civil”. Ed. Forense, São Paulo, 5ª Ed., 2009, vol. XXI, p. 277/278).



Realce-se, também, que, em outra oportunidade, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça já havia se manifestado nesse sentido, sendo salutar transcrever pedagógica manifestação do ministro Fernando Gonçalves em seu voto-vista que, no caso, se sagrou vencedor: “(...) De fato, o legislador reconhece aos nubentes, já desde o Código Civil de 1916, a possibilidade de autodeterminação no que se refere ao seu patrimônio, autorizando-lhes a escolha do regime de bens, dentre os quais o da separação total (...). Assim, qualquer que seja a razão pela qual os cônjuges decidem renunciar um ao patrimônio do outro, essa determinação é respeitada pela lei anterior. No novo Código Civil, porém, adotada, interpretação literal do art. 1.829, se conclui pela inclusão do cônjuge sobrevivente como herdeiro necessário, o que no caso de separação convencional de bens, significa que é concedido aos consortes liberdade de autodeterminação em vida, retirada essa, porém, com o advento da morte, transformando a sucessão em uma espécie de proteção previdenciária. Cuida-se, ineludivelmente, de quebra de estrutura do sistema codificado. De fato, seria de se questionar o porquê de se escolher a incomunicabilidade de bens se ele, necessariamente se somarão no futuro” (STJ – REsp. 1.111.095/RJ, Rel. p. acórdão Min. Fernando Gonçalves, DJe de 11.02.2010).



Nessa direção, não se pode legitimar a situação em que os cônjuges de maneira cristalina e reiterada estipulam a forma de destinação de seus bens e acabam por ter suas determinações feridas, ainda que post mortem.



Ademais, coloca-se em evidência – de acordo com o espírito de repersonalização do direito privado, mais humano e constitucionalizado, plasmado na dignidade da pessoa humana –, que não é por este motivo que o cônjuge sobrevivo estará desamparado pelo direito civil, sendo certo que a proteção dar-se-á de outras formas, a exemplo do direito real de habitação, importante instituto introduzido pelo Código Civil de 2002. Diga-se de passagem, predominando-se a autonomia da vontade, o fato de o cônjuge não concorrer com os descendentes na partilha dos bens do de cujus, não exclui a possibilidade de qualquer dos consortes, em vida, dispor de seus bens em testamento, desde que respeitada a legítima, reservando-os, ou parte deles, ao sobrevivente, a fim de resguardá-lo caso venha a falecer antes.



De mais a mais, não são apenas alguns ministros do Superior Tribunal de Justiça que estão alinhados nesse pensamento. Importante parcela da doutrina civilista também se encontra engajada nessa orientação. A propósito, há contribuições sobre o tema de Maria Berenice Dias, Nelson Nery Júnior, Rosa Maria de Andrade Nery, Zeno Veloso, Mauro Antonini, entre outros. Nessa vereda, destaca-se lúcida manifestação de Maria Berenice Dias: “A falta de congruência da lei torna-se mais evidente ao se atentar que, no regime convencional da separação, em que um cônjuge não é herdeiro do outro, o sobrevivente é brindado com o direito de concorrer com os sucessores. Tratamentos tão antagônicos e paradoxais não permitem identificar a lógica que norteou a casuística limitação levada a efeito pelo legislador. Quando se depara com situações que refogem à razão, não se conseguindo chegar a uma interpretação que se conforme com a justiça, há que reconhecer que deixou o codificador de atender ao princípio da razoabilidade, diretriz constitucional que cada vez mais vem sendo invocada para subtrair a eficácia das leis que afrontam os princípios prevalentes do sistema jurídico. Nítida é a afronta ao princípio da liberdade ao se facultar a escolha do regime de bens e introduzir modificações que desconfiguram a natureza do instituto e alteram a vontade dos cônjuges. Desarrazoado não disponibilizar a alguém qualquer possibilidade de definir o destino que quer dar a seus bens” (Disponível emhttp://www.mariaberenice.com.br, visualizado em 05/12/2014).



Insista-se que, enquanto não houver a imperiosa alteração legislativa, a melhor solução será interpretar o texto legal de acordo com o sistema jurídico estabelecido na Constituição Federal. Nesse viés constitucional, é extremamente louvável a posição que vê na Lei Maior proteção ao cônjuge sobrevivente como corolário da dignidade da pessoa humana. Entrementes, sob outro ângulo, diante da força iluminante da Lex Mater, admitindo-se a concorrência sucessória, os filhos do falecido teriam diminuída sua participação na herança, arranhando a livre manifestação da vontade pactuada em vida pelos cônjuges, que, na maioria das vezes, têm a pretensão de melhor proteger o direito sucessório de sua prole. E não se pode esquecer que os filhos também merecem o abrigo da lei, visando a proteção de sua dignidade.



Ainda na exegese constitucional, nesse ponto, de rigor parafrasear a ministra Nancy Andrighi, atualmente Corregedora Nacional de Justiça, para patentear a impositiva análise do art. 1829, I, do Código Civil, dentro do contexto do sistema jurídico, mediante a interpretação harmônica do dispositivo com as demais regras que enfeixam a temática, em atenta observância dos princípios e diretrizes teóricas que lhe dão forma.



Marcadamente, o raciocínio aqui proposto persegue a dignidade da pessoa humana, que se espraia, no plano da livre manifestação da vontade humana, por meio da autonomia da vontade, da autonomia privada e da conseqüente autorresponsabilidade, bem como da confiança legítima, da qual brota a boa-fé; a eticidade, por fim, vem complementar o sustentáculo principiológico que deve delinear os contornos da norma jurídica. Vale dizer, em sinopse, que não remanesce para o cônjuge casado mediante separação de bens, direito à meação, tampouco à concorrência sucessória, respeitando-se o regime de bens estipulado, que obriga as partes na vida e na morte.



Enfim, tudo aponta para uma interpretação teleológica, que guarda coerência com o sistema civil brasileiro encarado como um todo, exatamente no sentido de que não é possível a alteração dos efeitos jurídicos do regime matrimonial post mortem, devendo ser mantida a vontade manifestada pelos cônjuges em vida.



De todo modo, seja qual for a orientação adotada, todos devem concordar que o regime de bens matrimonial, eleito em vida, goza de irrefutável eficácia ultrativa post mortem, afinal, o estatuto patrimonial, ao menos como forma de enquadramento do regime sucessório a ser aplicado ao caso, define, para o direito atual, eventual concurso hereditário entre o cônjuge supérstite e os descendentes dode cujus. Não há dúvida, destarte, que existe no plano sucessório influência inegável do regime de bens do casamento, não se podendo afirmar que são instâncias absolutamente independentes e sem relacionamento no tocante às causas e aos efeitos desses institutos que a lei particulariza nos direitos de família e sucessões.

Fonte: Site da Serjus

Anoreg BR
11 Dezembro 2014 10:45

Incra lança Certificado de Cadastro de Imóveis Rurais – CCIR 2010 – 2014

A partir do dia, 8/12, os proprietários, titulares do domínio útil ou possuidores de qualquer título de imóvel rural poderão emitir o novo CCIR

Nesta segunda-feira, 8 de dezembro, o Incra lança o Certificado de Cadastro de Imóveis Rurais – CCIR 2010 – 2014. Assim, ao proprietários, titulares do domínio útil ou possuidores de qualquer título imóvel rural poderão acessar o portal do Sistema Nacional de Cadastro Rural - SNCR e emitir o novo CCIR.



O certificado também poderá ser emitido junto as Salas da Cidadania nas superintendências regionais do Incra, Unidades Avançadas, Salas da Cidadania Digital ou Unidades Municipais de Cadastramento (UMC). Para que o documento seja validado, deverá ser efetuado o pagamento da taxa cadastral na rede de atendimento da Caixa Econômica Federal - CEF de todo o País.



O CCIR, documento fornecido pelo Incra, constitui prova do cadastro do imóvel rural, sendo indispensável para desmembrar, arrendar, hipotecar, vender ou prometer em venda o imóvel rural e para homologação de partilha amigável ou judicial (sucessão causa mortis) de acordo com as leis Lei n.º 4.947/1966 e Lei n.º 10.267/2001.



As informações constantes do CCIR são exclusivamente cadastrais e, nos termos do parágrafo único do artigo 3.º da Lei n.º 5.868/1972, “não fazem prova de propriedade ou de direitos a ela relativos”. A base do SNCR conta hoje com um total 5,7 milhões de imóveis rurais que estão obrigados a emitir o CCIR atualizado de seus imóveis rurais.



A partir do presente exercício, o lançamento do CCIR passará a ser anual, com validade do Certificado para cada exercício. O CCIR 2015 já está programado para lançamento em setembro de 2015.



Dúvidas poderão ser elucidadas por meio do endereço eletrônico demandassncr@incra.gov.brO endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. ou pelos telefones (61) 3411-7370, 3411-7380, 3411-7378 e junto as superintendências regionais do Incra, Unidades Avançadas, Salas da Cidadania ou Unidades Municipais de Cadastramento , que funcionam em cooperação com as prefeituras.

Fonte: Incra, com alterações

Anoreg BR
11 Dezembro 2014 10:47

Anterior
 1  2  3  4  5  6  7  8  9  10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20  21  22  23  24  25  26  27  28  29  30  31  32  33  34  35  36  37  38  39  40  41  42  43  44  45  46  47  48  49  50  51  52  53  54  55  56  57  58  59  60  61  62  63  64  65  66  67  68  69  70  71  72  73  74  75  76  77  78  79  80  81  82  83  84  85  86  87  88  89  90  91  92  93  94  95  96  97  98  99  100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125  126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150  151  152  153  154  155  156  157  158  159  160  161  162  163  164  165  166  167  168  169  170  171  172  173  174  175  176  177  178  179  180  181  182  183  184  185  186  187  188  189  190  191  192  193  194  195  196  197  198  199  200  201  202  203  204  205  206  207  208  209  210  211  212  213  214  215  216  217  218  219  220  221  222  223  224  225  226  227  228  229  230  231  232  233  234  235  236  237  238  239  240  241  242  243  244  245  246  247  248  249  250  251  252  253  254  255  256  257  258  259  260  261  262  263  264  265  266  267  268  269  270  271  272  273  274  275  276  277  278  279  280  281  282  283  284  285  286  287  288  289  290  291  292  293  294  295  296  297  298  299  300  301  302  303  304  305  306  307  308  309  310  311  312  313  314  315  316  317  318  319  320  321  322  323  324  325  326  327  328  329  330  331  332  333  334  335  336  337  338  339  340  341  342  343  344  345  346  347  348  349  350  351  352  353  354  355  356  357  358  359  360  361  362  363  364  365  366  367  368  369  370  371  372  373  374  375  376  377  378  379  380  381  382  383  384  385  386  387  388  389  390  391  392  393  394  395  396  397  398  399  400  401  402  403  404  405  406  407  408  409  410  411  412  413  414  415  416  417  418  419  420  421  422  423  424  425  426  427  428  429  430  431  432  433  434  435  436  437  438  439  440  441  442  443  444  445  446  447  448  449  450  451  452  453  454  455  456  457  458  459  460  461  462  463  464  465  466  467  468  469  470  471  472  473  474  475  476  477  478  479  480  481  482  483  484  485  486  487  488  489  490  491  492  493  494  495  496  497  498  499  500  501  502  503  504  505  506  507  508  509  510  511  512  513  514  515  516  517  518  519  520  521  522  523  524  525  526  527  528  529  530  531  532  533  534  535  536  537  538  539  540  541  542  543  544  545  546  547  548  549  550  551  552  553  554  555  556  557  558  559  560  561  562  563  564  565  566  567  568  569  570  571  572  573  574  575  576  577  578  579  580  581  582  583  584  585  586  587  588  589  590  591  592  593  594  595  596  597  598  599  600  601  602  603  604  605  606  607  608  609  610  611  612  613  614  615  616  617  618  619  620  621  622  623  624  625  626  627  628  629  630  631  632  633  634  635  636  637  638  639  640  641  642  643  644  645  646  647  648  649  650  651  652  653  654  655  656  657  658  659  660  661  662  663  664  665  666  667  668  669  670  671  672  673  674  675  676  677  678  679  680  681  682  683  684  685  686  687  688  689  690  691  692  693  694  695  696  697  698  699  700  701  702  703  704  705  706  707  708  709  710  711  712  713  714  715  716  717  718  719  720  721  722  723  724  725  726  727  728  729  730  731  732  733  734  735  736  737  738  739  740  741  742  743  744  745  746  747  748  749  750  751  752  753  754  755  756  757  758  759  760  761  762  763  764  765  766  767  768  769  770  771  772  773  774  775  776  777  778  779  780  781  782  783  784  785  786  787  788  789  790  791  792  793  794  795  796  797  798  799  800  801  802  803  804  805  806  807  808  809  810  811  812  813  814  815  816  817  818  819  820  821  822  823  824  825  826  827  828  829  830  831  832  833  834  835  836  837  838  839  840  841  842  843  844  845  846  847  848  849  850  851  852  853  854  855  856  857  858  859  860  861  862  863  864  865  866  867  868  869  870  871  872  873  874  875  876  877  878  879  880  881  882  883  884  885  886  887  888  889  890  891  892  893  894  895  896  897  898  899  900  901  902  903  904  905  906  907  908  909  910  911  912  913  914  915  916  917  918  919  920  921  922  923  924  925  926  927  928  929  930  931  932  933  934  935  936  937  938  939  940  941  942  943  944  945  946  947  948  949  950  951  952  953  954  955  956  957  958  959  960  961  962  963  964  965  966  967  968  969  970  971  972  973  974  975  976  977  978  979  980  981  982  983  984  985  986  987  988  989  990  991  992  993  994  995  996  997  998  999  1000  1001  1002  1003  1004  1005  1006  1007  1008  1009  1010  1011  1012  1013  1014  1015  1016  1017  1018  1019  1020  1021  1022  1023  1024  1025  1026  1027  1028  1029  1030  1031  1032  1033  1034  1035  1036  1037  1038  1039  1040  1041  1042  1043  1044  1045  1046  1047  1048  1049  1050  1051  1052  1053  1054  1055  1056  1057  1058  1059  1060  1061  1062  1063  1064  1065  1066  1067  1068  1069  1070  1071  1072  1073  1074  1075  1076  1077  1078  1079  1080  1081  1082  1083  1084  1085  1086  1087  1088  1089  1090  1091  1092  1093  1094  1095  1096  1097  1098  1099  1100  1101  1102  1103  1104  1105  1106  1107  1108  1109  1110  1111  1112  1113  1114  1115  1116  1117  1118  1119  1120  1121  1122  1123  1124  1125  1126  1127  1128  1129  1130  1131  1132  1133  1134  1135  1136  1137  1138  1139  1140  1141  1142  1143  1144  1145  1146  1147  1148  1149  1150  1151  1152  1153  1154  1155  1156  1157  1158  1159  1160  1161  1162  1163  1164  1165  1166  1167  1168  1169  1170  1171  1172  1173  1174  1175  1176  1177  1178  1179  1180  1181  1182  1183  1184  1185  1186  1187  1188  1189  1190  1191  1192  1193  1194  1195  1196  1197  1198  1199  1200  1201  1202  1203  1204  1205  1206  1207  1208  1209  1210  1211  1212  1213  1214  1215  1216  1217  1218  1219  1220  1221  1222  1223  1224  1225  1226  1227  1228  1229  1230  1231  1232  1233  1234  1235  1236  1237  1238  1239  1240  1241  1242  1243  1244  1245  1246  1247  1248  1249  1250  1251  1252  1253  1254  1255  1256  1257  1258  1259  1260  1261  1262  1263  1264  1265  1266  1267  1268  1269  1270  1271  1272  1273  1274  1275  1276  1277  1278  1279  1280  1281  1282  1283  1284  1285  1286  1287  1288  1289  1290  1291  1292  1293  1294  1295  1296  1297  1298  1299  1300  1301  1302  1303  1304  1305  1306  1307  1308  1309  1310  1311  1312  1313  1314  1315  1316  1317  1318  1319  1320  1321  1322  1323  1324  1325  1326  1327  1328  1329  1330  1331  1332  1333  1334  1335  1336  1337  1338  1339  1340  1341  1342  1343  1344  1345  1346  1347  1348  1349  1350  1351  1352  1353  1354  1355  1356  1357  1358  1359  1360  1361  1362  1363  1364  1365  1366  1367  1368  1369  1370  1371  1372  1373  1374  1375  1376  1377  1378  1379  1380  1381  1382  1383  1384  1385  1386  1387  1388  1389  1390  1391  1392  1393  1394  1395  1396  1397  1398  1399  1400  1401  1402  1403  1404  1405  1406  1407  1408  1409  1410  1411  1412  1413  1414  1415  1416  1417  1418  1419  1420  1421  1422  1423  1424  1425  1426  1427  1428  1429  1430  1431  1432  1433  1434  1435  1436  1437  1438  1439  1440  1441  1442  1443  1444  1445  1446  1447  1448  1449  1450  1451  1452  1453  1454  1455  1456  1457  1458  1459  1460  1461  1462  1463  1464  1465  1466  1467  1468  1469  1470  1471  1472  1473  1474  1475  1476  1477  1478  1479  1480  1481  1482  1483  1484  1485  1486  1487  1488  1489  1490  1491  1492  1493  1494  1495  1496  1497  1498  1499  1500  1501  1502  1503  1504  1505  1506  1507  1508  1509  1510  1511  1512  1513  1514  1515  1516  1517  1518  1519  1520  1521  1522  1523  1524  1525  1526  1527  1528  1529  1530  1531  1532  1533  1534  1535  1536  1537  1538  1539  1540  1541  1542  1543  1544  1545  1546  1547  1548  1549  1550  1551  1552  1553  1554  1555  1556  1557  1558  1559  1560  1561  1562  1563  1564  1565  1566  1567  1568  1569  1570  1571  1572  1573  1574  1575  1576  1577  1578  1579  1580  1581  1582  1583  1584  1585  1586  1587  1588  1589  1590  1591  1592  1593  1594  1595  1596  1597  1598  1599  1600  1601  1602  1603  1604  1605  1606  1607  1608  1609  1610  1611  1612  1613  1614  1615  1616  1617  1618  1619  1620  1621  1622  1623  1624  1625  1626  1627  1628  1629  1630  1631  1632  1633  1634  1635  1636  1637  1638  1639  1640  1641  1642  1643  1644  1645  1646  1647  1648  1649  1650  1651  1652  1653  1654  1655  1656  1657  1658  1659  1660  1661  1662  1663  1664  1665  1666  1667  1668  1669  1670  1671  1672  1673  1674  1675  1676  1677  1678  1679  1680  1681  1682  1683  1684  1685  1686  1687  1688  1689  1690  1691  1692  1693  1694  1695  1696  1697  1698  1699  1700  1701  1702  1703  1704  1705  1706  1707  1708  1709  1710  1711  1712  1713  1714  1715  1716  1717  1718  1719  1720  1721  1722  1723  1724  1725  1726  1727  1728  1729  1730  1731  1732  1733  1734  1735  1736  1737  1738  1739  1740  1741  1742  1743  1744  1745  1746  1747  1748  1749  1750  1751  1752  1753  1754  1755  1756  1757  1758  1759  1760  1761  1762  1763  1764  1765  1766  1767  1768  1769  1770  1771  1772  1773  1774  1775  1776  1777  1778  1779  1780  1781  1782  1783  1784  1785  1786  1787  1788  1789  1790  1791  1792  1793  1794  1795  1796  1797  1798  1799  1800  1801  1802  1803  1804  1805  1806  1807  1808  1809  1810  1811  1812  1813  1814  1815  1816  1817  1818  1819  1820  1821  1822  1823  1824  1825  1826  1827  1828  1829  1830  1831  1832  1833  1834  1835  1836  1837  1838  1839  1840  1841  1842  1843  1844  1845  1846  1847  1848  1849  1850  1851  1852  1853  1854  1855  1856  1857  1858  1859  1860  1861  1862  1863  1864  1865  1866  1867  1868  1869  1870  1871  1872  1873  1874  1875  1876  1877  1878  1879  1880  1881  1882  1883  1884  1885  1886  1887  1888  1889  1890  1891  1892  1893  1894  1895  1896  1897  1898  1899  1900  1901  1902  1903  1904  1905  1906  1907  1908  1909  1910  1911  1912  1913  1914  1915  1916  1917  1918  1919  1920  1921  1922  1923  1924  1925  1926  1927  1928  1929  1930  1931  1932  1933  1934  1935  1936  1937  1938  1939  1940  1941  1942  1943  1944  1945  1946  1947  1948  1949  1950  1951  1952  1953  1954  1955  1956  1957  1958  1959  1960  1961  1962  1963  1964  1965  1966  1967  1968  1969  1970  1971  1972  1973  1974  1975  1976  1977  1978  1979  1980  1981  1982  1983  1984  1985  1986  1987  1988  1989  1990  1991  1992  1993  1994  1995  1996  1997  1998  1999  2000  2001  2002  2003  2004  2005  2006  2007  2008  2009  2010  2011  2012  2013  2014  2015  2016  2017  2018  2019  2020  2021  2022  2023  2024  2025  2026  2027  2028  2029  2030  2031  2032  2033  2034  2035  2036  2037  2038  2039  2040  2041  2042  2043  2044  2045  2046  2047  2048  2049  2050  2051  2052  2053  2054  2055  2056  2057  2058  2059  2060  2061  2062  2063  2064  2065  2066  2067  2068  2069  2070  2071  2072  2073  2074  2075  2076  2077  2078  2079  2080  2081  2082  2083  2084  2085  2086  2087  2088  2089  2090  2091  2092  2093  2094  2095  2096  2097  2098  2099  2100  2101  2102  2103  2104  2105  2106  2107  2108  2109  2110  2111  2112  2113  2114  2115  2116  2117  2118  2119  2120  2121  2122  2123  2124  2125  2126  2127  2128  2129  2130  2131  2132  2133  2134  2135  2136  2137  2138  2139  2140  2141  2142  2143  2144  2145  2146  2147  2148  2149  2150  2151  2152  2153  2154  2155  2156  2157  2158  2159  2160  2161  2162  2163  2164  2165  2166  2167  2168  2169  2170  2171  2172  2173  2174  2175  2176  2177  2178  2179  2180  2181  2182  2183  2184  2185  2186  2187  2188  2189  2190  2191  2192  2193  2194  2195  2196  2197  2198  2199  2200  2201  2202  2203  2204  2205  2206  2207  2208  2209  2210  2211  2212  2213  2214  2215  2216  2217  2218  2219  2220  2221  2222  2223  2224  2225  2226  2227  2228  2229  2230  2231  2232  2233  2234  2235  2236  2237  2238  2239  2240  2241  2242  2243  2244  2245  2246  2247  2248
Nova pagina 1
  COLUNAS LC
  Direitos das Mulheres
 Advocacia
 Assédio Moral
 Benefícios
 Biossegurança
 Bullying
 Cheques
 Cidadania
 Colunas
 Comunidade Jurídica
 Concurso Público
 Condomínios
 Conselho de Justiça Federal
 Contrato de Trabalho
 Defensoria Pública
 Direito de Família e Sucessões
 DNA
 Documentos
 Doenças Profissionais
 Dumping Social
 Educação
 Entrevistas
 Estagiários
 FGTS
 Frases Circunstanciais
 Fundos de Pensão
 Glossário
 Hist. das Constituições
 Horas Extras
 Imposto de Renda
 Info. Históricas do Brasil
 Injustiça
 Justiça na Alemanha
 Lei 11.382/06 - Lei de execução de títulos extrajudiciais
 Lei 11.441/2007
 Lei nº 11.232/22.12.2005- Lei de execução civil
 Política
 Prefeitos e Vereadores
 Repercussão Geral
 Saúde
 Servidor Público
 Sinopses de textos
 Textos diversos
  FAÇA LOGIN
Login:

Senha:



  PUBLICIDADE



  PESQUISA
O que achou do site?
Excelente
Ótimo
Bom
Razoável
Ruim