Curitiba, 
Nova pagina 1
  MENU PRINCIPAL
 Galeria de Fotos
 Fale Conosco
 Usuários
 Pagina Inicial
 Presidentes do Brasil
 Busca de Cep
 Busca de Cartórios
 Conheça o Brasil
 Governadores do Paraná - Imperial
 Governadores do Paraná - Republicano
COLUNAS LC
 Acidente de trabalho
 Ambiental
 Aposentadoria
 Arbitragem
 Atividade eventual
 Bancos
 Bem de Família
 Câmaras de Vereadores
 Cartão de crédito
 Célebres Julgamentos
 Conselho Nacional de Justiça
 Conselho Nacional de Justiça(CNJ)
 Conselho Tutelar
 Constituição Federal
 Contratos
 Cooperativas de crédito
 Cooperativas de Trabalho
 Crianças e Adolescentes
 Danos morais
 Direito Constitucional
 Direito do Consumidor
 Direito Empresarial
 Direitos do Empregador
 Direitos doTrabalhador
 Discriminação
 Emenda Constitucional 45/04
 Frases que marcaram
 Hist.Partidos Políticos
 IDOSOS
 Juizados Especiais
 Juizados Especiais
 Justa Causa
 Justiça Eleitoral
 Justiça On-Line
 Latim
 Leis
 Magistratura
 Ministério Público
 Municípios
 O.A.B
 Pensão Alimentícia
 Pensionistas
 Poder é Poder
 Portadores de Necessidades Especiais
 Precatórios
 Prefeituras
 RECURSOS
 Rural
 Sindicatos
 SÚMULAS
 TERCEIRIZAÇÃO
 Terceiro Setor
 Textos sucintos e interessantes
 Trabalhista
 União Estável
  NEWS LETTER
  
Sorriso de farmácia: dentistas querem restringir venda de clareadores

RIO- Dentes brancos como peças de louça têm seu preço. A discussão é se a conta pode ser paga direto para quem vende a substância clareadora, ou se antes deve ser obrigatório passar pelo dentista, como defendem representantes de conselhos regionais de odontologia. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) propôs, ainda extraoficialmente, um controle nas farmácias como o que já existe para remédios com tarja vermelha, vendidos — pelo menos na teoria — com receita. Usar o gel como se fosse um simples cosmético, pode, no mínimo, deixar a boca bicolor, já que dentes escurecidos com canal ou com restauro no esmalte não clareiam desta forma. No máximo, pode haver queimadura.

Há duas substâncias clareadoras no mercado: o peróxido de hidrogênio, nome que se aprende na escola para água oxigenada, e o peróxido de carbamida. Usados da forma errada, podem também aumentar a sensibilidade dos dentes e causar retração da gengiva de forma permanente. Na prática, a venda de ambos é livre, inclusive pela internet. Compra-se o gel e a moldeira para encaixar na arcada. Como toda substância química, os clareadores são encontrados em várias concentrações. As mais fortes são restritas para uso no consultório dentário, e as mais fracas são prescritas para o uso noturno, em casa. Mas o consumidor leigo não sabe disso e, por conta própria, pode errar o tamanho da moldeira e machucar a boca, além de deixar o peróxido em contato excessivo com a gengiva, ou encomendar uma concentração mais alta.

Agência baniu dois clareadores
Semana passada, a Anvisa proibiu a propaganda e o comércio no Brasil dos clareadores Dental Whitelight e Hyper Dental Peeling, que eram vendidos sem o registro da agência. Mas há no mercado uma espécie de fita clareadora que pode ser colada diretamente nos dentes, em vez do uso de gel e moldeira. Para estes, representantes de conselhos de odontologia e entidades de classe, como o Wilson Chediek, da Associação Paulista dos Cirurgiões Dentistas, defendem que também deve haver controle na venda com prescrição odontológica:

— Até vitaminas em excesso fazem mal. Há pouco mais de um ano, alertamos a Anvisa que clareadores dentários têm contraindicações, podem causar problemas ao paciente, assim como causam problemas o uso errado de antibióticos.

A Anvisa informou às entidades de classe dos dentistas e aos fabricantes que recebe sugestões para pôr regra às vendas até sexta-feira. Em nota, a agência adianta que a discussão ainda não está na Agenda Regulatória, o que não garante novidades para este ano.
Prescrição não é fundamental no exterior

Nos EUA, por exemplo, não existe a obrigação da prescrição para comprar clareadores de dentes. A Oral B, que estampa sua marca em uma fita clareadora à venda no Brasil desde o ano passado apoiou, por meio de nota, que a Anvisa discuta a regulação da venda de agentes que deixam os dentes mais brancos. Mas não quer ser colocada no mesmo saco dos demais géis clareadores. A empresa informa que suas fitas são vendidas na América do Norte, Rússia e em alguns países da Ásia sem precisar de receita de dentista. E garante que é o produto mais estudado cientificamente entre os vendidos pelo conglomerado empresarial do qual faz parte, com mais de 200 publicações em revistas odontológicas.

— Não é porque se faz em países desenvolvidos que é o certo. O Brasil, por exemplo, é um dos poucos países que tem um conselho profissional para dentistas, e nossa missão também é defender a saúde da população — declara Ailton Morilhas, presidente do Conselho Federal de Odontologia. — Somos absolutamente a favor de só permitir a compra de clareadores com receita.

Tiras branqueadoras têm efeito limitado
O dentista Mario Griosman, integrante da Academia Americana de Periodontia, concorda que as tiras vendidas em farmácias não podem entrar no mesmo grupo do gel vendido à vontade e sem critério pela internet. Mas ele defende que o ideal é usar o produto sob supervisão profissional:

— A metodologia das tiras clareadoras vai acabar por levar mais pessoas ao dentista, porque os dentes restaurados não vão ficar mais brancos com o produto. A exigência da supervisão profissional não se trata de corporativismo. Hoje recomenda-se muito mais o tratamento em casa, com a moldeira de uso noturno, que o clareamento feito em consultório.
Os dentistas enumeram uma série de razões para que os candidatos a dentes mais brancos procurem um diagnóstico profissional antes de agir por conta própria. Quem tem sensibilidade natural com alimentos gelados ou quentes devem passar primeiro por um tratamento para resolver o problema, explica o dentista Marcelo Fonseca.

— Não há tratamento universal no clareamento. Os produtos vendidos em farmácia agem apenas em casos mais específicos — sentencia o dentista, fundador da Sociedade Brasileira de Odontologia Estética. — A depender da sensibilidade e do estado do esmalte dos dentes, há diferenças no tempo de contato com o agente clareador e na concentração. Além disso, quem tem arcada dentária grande pode não ter todos os dentes cobertos com a fita.

Paulo Roberto Dabdab, especialista em reabilitação oral e periodontista, vai além e questiona inclusive a eficácia de cremes dentais e enxaguantes que prometem clareamento.

— É melhor não usar (pasta que promete clareamento). Se não tiver jeito, não use mais de uma vez por mês. Algumas marcas podem ter efeito abrasivo e desgastar o esmalte, se usadas sempre — alerta o especialista sobre o produto.

Manchas marrons são mais difíceis de remover
Manchas amareladas são as mais fáceis de retirar com o clareamento. As acinzentadas ou com tom próximo do marrom são as mais difíceis, explicam especialistas. Além disso, nem tudo que deixa de reluzir na boca é caso de tratamento convencional.

— Quando há um escurecimento do dente por causa de um canal dentário, não adianta moldeira ou tira com agente clareador. O tratamento tem que ser outro — explica o dentista Marcelo Fonseca. — Mesmo assim, há casos em que o clareamento de dentes com canal não dura muito tempo e, para estes, não se pode insistir no tratamento além da terceira tentativa.

A alma do dente, o que dá a cor predominante, não é o esmalte e, sim, a dentina, camada que fica por dentro. É lá que atuam os peróxidos clareadores. Ao contrário do que se possa imaginar, o esmalte tem capacidade de absorção e não é diferente com a substância usada no tratamento. Em contato com a dentina, é liberado o oxigênio que faz a limpeza.

Todo alimento com pigmentos escuros é bom candidato a eliminar a brancura da dentina. Vinho, café, refrigerantes escuros, feijão e molho curry são exemplos.

Há casos em que o escurecimento é produzido pela ação de antibióticos, em especial a tetraciclina, mas tal fato não ocorre com a mesma frequência de antigamente. Fluorose, que é o excesso de exposição dos dentes ao flúor, pode causar manchas marrons e, assim como no caso do antibiótico, são mais resistentes.

Tecnicamente, aquela limpeza que se faz na cadeira do dentista com uma espécie de escovinha não é clareamento, pois a ação se dá apenas no esmalte para remover manchas causadas por bactérias.

Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/saude-e-ciencia/sorriso-de-farmacia-dentistas-querem-restringir-venda-de-clareadores-9333319.html#ixzz2b6R6Ezu8


Fonte: Extra - online

Portal do Consumidor
5/8/2013

Artigo - Nome ao Natimorto

Ao nascituro que nasce sem vida, feto que falece no interior do útero ou no parto, como tal havido natimorto, após uma gestação superior a vinte semanas, não é dado alcançar direito personalíssimo ao nome e sobrenome. Cumpre-se somente o registro do óbito fetal, em livro próprio – “C-Auxiliar” (Lei nº 6.015/73, art. 53), com indicação dos pais, dispensado o assento de nascimento. O filho, já esperado pelo nome que lhe seria dado, torna-se apenas o registro do feto que feneceu como sombra de si mesmo e feto, enquanto tal, por não ter vindo à luz com vida, mesmo que por mínima fração de tempo.



Embora comece do nascimento com vida a personalidade civil da pessoa (art. 2º, Código Civil), certo é, porém, que desde a concepção são ressalvados os direitos do nascituro, como a alimentos, dispondo este, por isso, de uma personalidade jurídica formal. Em período inferior de gestação, onde se tem ocorrente o aborto espontâneo ou o induzido - caso diverso ao natimorto - sequer é exigido registro de óbito.



Pois bem. Essa espécie de mortalidade tem se constituído em evento jurídico a exigir novas atuações da doutrina, dos tribunais, da legislação e de políticas públicas de saúde, quando cerca de 3,3 milhões de crianças, a cada ano, no mundo, são natimortos, com morte intra-uterina nos três últimos meses de gestação.



Nomeadamente são postas questões novas, a exemplo: (i) o feto anencéfalo é um natimorto cerebral; (ii) “a proteção que o Código Civil confere ao nascituro alcança o natimorto, no que concerne aos direitos da personalidade, tais como nome, imagem e sepultura” (Enunciado nº 01, da I Jornada de Direito Civil – CJF-STJ,11-13/09/2002) e (iii) existe o direito de os pais registrarem os filhos natimortos com nome e sobrenome.



No ponto, a identificação do natimorto se apresenta como a possibilidade de exercerem os pais a atribuição de nome ao filho nascido sem vida. Neste sentido, revisão normativa da Corregedoria Geral de São Paulo (estado que registra cinco mil natimortos por ano) empreendida ao seu Código de Normas de Serviço (Cap. XVII, Tomo II, item 32), cuidou de facultar o direito de atribuição de nome ao natimorto, sem necessidade de duplo registro (nascimento e óbito).



De tal permissivo administrativo, em março passado, o casal Elias Germano Lúcio e Vanessa Gomes Lúcio, perante o cartório de Barueri (SP), efetivou o registro de sua filha natimorta Sara, dando-lhe o nome escolhido que em vida usaria. Primeiro casal brasileiro a levar a registro de óbito o nome da filha que não nasceu e que nada obstante “concepto não nascido”, houve-se assim por identificada, certo que em nascida com vida haveria de usá-lo, com seu alcance personalíssimo.



Nessa mesma linha, recente projeto de lei – PL nº 5.171/2013 -, de autoria do deputado Ângelo Agnolin, altera a redação do parágrafo 1º do art. 53 da Lei 6.015 (Lei dos Registros Públicos), para no caso de ter a criança nascido morta, ser o registro feito em livro próprio, “com os elementos que lhe couberem, inclusive o nome e o prenome que lhe forem postos” (NR). A inserção adverbial “inclusive” significando “também”, afasta qualquer controvérsia acerca dos elementos registrais cabíveis.



Nesse aspecto, em 25 de outubro de 2007, o desembargador gaúcho Rui Portava, da 8ª Câmara do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, em voto vencido no julgamento da Apelação Cível nº 70020535118 divergia por já entender que “em nenhum momento a lei determina que o registro a ser assentado no Livro C Auxiliar não possa fazer menção ao nome que os pais haviam escolhido para a criança”.



E acentuava, com precisão, que a lei diz apenas que o registro fará referência aos “elementos que couberem”, “mas não explicita quais são e quais não os cabíveis”. De fato. Como destacado na doutrina adiantada de Teixeira de Freitas, por ele referida, “as pessoas por nascer existem, porque, suposto não sejam ainda nascidas, vivem já no ventre materno”.



Então, desde a concepção e durante a vida intra-uterina, a criança por nascer não será uma mera perspectiva de filho, mas uma pessoa a chegar, com personalidade jurídica de fato, tendo direito a um nome. O filho gestado significa o projeto parental já alcançado, de tal modo que, por isso mesmo, o nascituro já recebe dos pais um nome. Isso é fato que tem sido recorrente, a tanto que é preparada a sua chegada pondo-se-lhe o nome que o representa. Mas não é só.



A fragilidade emocional de pais de natimortos, que lidam com o luto, vulneráveis pela perda do filho, mães de mãos vazias, parturientes de parto inútil, compõem uma realidade de vida que não pode deixar de ser percebida pela ordem jurídica. Isso já acontece, em alguns Estados, com benefícios de licenças-maternidade para mães servidoras que sofreram aborto ou parto natimorto, a fim de que o retorno ao trabalho somente ocorra quando atenuados os graves danos emocionais decorrentes da gravidez interrompida e da perda da criança.



Urge, portanto, melhor proteção jurídica ao natimorto e aos seus pais, nessa condição, a exemplo da liberação célere do corpo e sua entrega à família; os benefícios estatutários, o acompanhamento psicológico pós-trauma, as medidas protetivas de amparo e, sobretudo, do direito ao nome ao natimorto. Mais que urgente, também se apresenta, a retificação dos assentos de óbito de natimortos, lavrados sem nome, se assim os seus pais requererem (art. 110, lei nº 6.015/73).



Inegavelmente, há um luto social diante do natimorto, filho dos pais que não o tiveram, e futuro cidadão que a sociedade não o recebeu. Esse luto tem, por certo, relevância jurídica, não resumida ao fato registral e estatístico. Essa questão foi posta em projeto de pós-graduação de Mariana Undicattti Barbieri Santos, Oficial de Registro Civil de Ribeirão Bonito (SP), o que inspirou o normativo da Corregedoria de Justiça paulista.



O nome ao natimorto é, afinal, um direito humanitário, no seu espectro mais denso. Na palavra de Rui Portanova, bem é certo que, omitir o nome representa, “uma crueldade para com os pais, que já passaram pelo traumático evento da criança morta, e não precisam passar por uma segunda “morte” do filho, desta vez causa pelo desprezo da ordem jurídica.”


..................................................
JONES FIGUEIRÊDO ALVES – o autor do artigo é desembargador decano do Tribunal de Justiça de Pernambuco. Diretor nacional do Instituto Brasileiro de Direito de Família (IBDFAM), coordena a Comissão de Magistratura de Família. Assessorou a Comissão Especial de Reforma do Código Civil na Câmara Federal. Autor de obras jurídicas de direito civil e processo civil. Integra a Academia Pernambucana de Letras Jurídicas (APLJ).

Fonte: Site do TJPE

Anoreg BR
05 Agosto 2013 08:35


Alves pretende votar neste mês proposta que torna corrupção crime hediondo

Deputados trabalham para chegar a texto de consenso sobre o tema. Especialistas avaliam que não adianta estabelecer penas mais rigorosas se a lei não for cumprida.


Está na pauta do Plenário o projeto (PL 5900/13 e apensados) que transforma a corrupção em crime hediondo. A proposta ganhou força após as manifestações populares registradas pelo País, e o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, já sinalizou que a ideia é votá-la neste mês de agosto.

Segundo o presidente, os deputados estão trabalhando para chegar a um texto de consenso a partir das oito propostas em análise na Casa. Conforme o PL 5900/13, do Senado, que tramita em regime de urgência constitucional, serão incluídos na Lei dos Crimes Hediondos (8.072/90) outros delitos, além da corrupção ativa e passiva. Entre eles, o peculato, que é a apropriação pelo funcionário público de dinheiro ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, e a concussão, que ocorre quando o agente público exige vantagens para si ou para outra pessoa. A lista engloba ainda o excesso de exação, aqueles casos em que o agente público desvia o tributo recebido indevidamente.

De acordo com a proposta, que foi aprovada pelos senadores em junho, quem cometer esses crimes ficará sujeito a reclusão, de 4 a 12 anos, mais multa. Em todos os casos, a pena será aumentada em até um terço se o ilícito for cometido por agente político ou ocupante de cargo efetivo de carreira de Estado, como juízes e diplomatas. Atualmente, a punição prevista no Código Penal (Decreto-Lei 2.848/40) varia, no máximo, de 2 a 12 anos de reclusão e multa.

Impunidade
Na opinião do presidente da Frente Parlamentar de Combate à Corrupção, deputado Francisco Praciano (PT-AM), o projeto é bom, mas não suficiente. Ele argumenta que tornar as penalidades mais rigorosas não surtirá efeito, se os processos não tiverem rápida tramitação na Justiça. "Para que o aumento da pena seja eficiente, é necessário que a Justiça julgue os milhares de processos que estão nas suas gavetas. A fim de que isso ocorra, a Câmara precisa aprovar projetos que aumentem a celeridade do Judiciário”, disse.

Da mesma forma, o mestre em direito penal Euro Bento Maciel Filho avalia que não adianta haver penas rigorosas quando os criminosos têm certeza da impunidade. "Não basta ter leis severas se elas não são executadas. O criminoso não tem medo da pena alta, ele tem medo da aplicação de qualquer pena. Seja ela alta ou pequena."

Ao lado da impunidade, o cientista político Cristiano Noronha aponta que o excesso de recursos que prolongam, por anos, os processos judiciais também representa um problema mais urgente do que aumentar o rigor das penas. "O que as pessoas querem ver é celeridade nesse processo para que, eventualmente, a pessoa seja punida e, aí sim, cumpra a sua pena, seja qual for a sanção estabelecida pela Justiça", destacou.

Sem fiança
Além de prever penas mais duras, o projeto do Senado acaba com a possibilidade de anistia, graça, indulto ou liberdade sob pagamento de fiança para os condenados. O texto também torna mais difícil o acesso a benefícios como livramento condicional e progressão de regime.

A proposta inclui ainda o homicídio simples, que hoje tem pena de reclusão de 6 a 20 anos, na lista de crimes hediondos. Atualmente, só são considerados hediondos o homicídio praticado por grupo de extermínio e o qualificado, como, por exemplo, aqueles cometidos por motivo fútil.

Íntegra da proposta:
PL-5900/2013
Reportagem – Idhelene Macedo
Edição – Marcelo Oliveira

Fonte : Agência Câmara
.01/08/2013 - 18h13

Portugueses atraem estrangeiros com oferta de visto a quem desembolse 500 mil euros por imóvel

Gilberto Costa*
Correspondente da EBC em Portugal

Lisboa – Com a economia em recessão há dois anos e meio e sem a perspectiva imediata de retomada do crescimento econômico, Portugal tenta atrair dinheiro estrangeiro para o mercado imobiliário. Uma lei que entrou em vigor há menos de um ano prevê a concessão de cidadania europeia a investidores, inclusive quem disponha de pelo menos 500 mil euros - mais de R$ 1,5 milhão - para adquirir uma casa e apartamento no país.

De acordo com a normatização, para conseguir o visto não é preciso se mudar para Portugal. A exigência é que o comprador permaneça sete dias no primeiro ano para ter visto de residência provisório e 14 dias nos dois biênios subsequentes. Após cinco anos, o comprador pode pedir o visto de residência permanente e no sexto ano tem direito a pedir a cidadania portuguesa.

O valor, próximo ao praticado em imóveis de classe média alta em endereços nobres de Brasília, Rio e São Paulo, permite a aquisição de um apartamento de luxo e bem localizado em Lisboa ou arredores, como Cascais e Estoril. Segundo o brasileiro Guilherme Grossman, diretor de vendas de uma imobiliária em Lisboa, a diferença de preço do metro quadrado pode ser até mais da metade do valor. Além do custo, “a qualidade da construção não é comparável. Os imóveis são de alto padrão e são entregues totalmente equipados”, disse à Agência Brasil.

Na opinião do corretor, Portugal pode ser vantajoso para os brasileiros por causa do idioma, do clima mais ameno da Europa e pela segurança e facilidade de circulação, maior que nas grandes cidades do Brasil. Os brasileiros residentes e com número de contribuinte podem tentar empréstimo no sistema financeiro português, há simulador disponível no site de entidade privada de defesa do consumidor.

Apesar dessas vantagens, o mercado imobiliário em Portugal está em baixa. Até março, havia quase 692 mil empréstimos de habitação inadimplentes. Dados do Banco de Portugal - Banco Central -, revelam que nos dois últimos anos os empréstimos para habitação caíram de forma mais acentuada que os empréstimos para bens de consumo, ainda que as taxas de juros estejam contidas e que os preços dos imóveis estejam em baixa.

Há cerca de 10 mil imóveis vazios no país segundo declaração do presidente da agência estatal Turismo de Portugal, Frederico Costa, à agência de notícias BBC. A entidade, equivalente à Embratur no Brasil, promove o turismo e o estilo de vida lusitano. Além do visto para quem queira investir no mercado imobiliário, os portugueses acenam com a possibilidade de isenção de Imposto de Renda para aposentados estrangeiros que queiram morar no país.

Na quarta-feira (31), as 12h15 (horário de Lisboa), a Agência Brasil solicitou por escrito ao Turismo de Portugal estatística atualizada sobre a aquisição de imóveis por brasileiros no país. Até o fechamento desta matéria não recebeu qualquer resposta.

*Com informação da BBC Brasil

Edição: Marcos Chagas

Agência Brasil
01/08/2013 - 11h11

PR: Produtores devem ficar atentos ao georreferenciamento

Descrição da propriedade, inclusive seus limites deve ser feita

Os proprietários de imóveis rurais devem ficar atentos ao prazo para a realização do georreferenciamento, material que consiste na descrição da propriedade, inclusive seus limites, características e confrontações. A data final para imóveis com áreas acima de 250 hectares é 21 de novembro.



Para o presidente do Sindicato Rural de Ponta Grossa, Gustavo Ribas Neto, é importante que os donos de propriedades façam o georreferenciamento, já que a condição é necessária para que se realize qualquer alteração cartorial do imóvel. “Quando o proprietário for fazer qualquer coisa que influencie a matrícula irá precisar do georreferenciamento, por exemplo, se precisar de um financiamento bancário e tiver que dar a propriedade como garantia não conseguirá se não tiver cumprido com esta obrigatoriedade”, alerta.

Fonte: Site Diário dos Campos

Anoreg BR
02 Agosto 2013 10:02

Anterior
 1  2  3  4  5  6  7  8  9  10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20  21  22  23  24  25  26  27  28  29  30  31  32  33  34  35  36  37  38  39  40  41  42  43  44  45  46  47  48  49  50  51  52  53  54  55  56  57  58  59  60  61  62  63  64  65  66  67  68  69  70  71  72  73  74  75  76  77  78  79  80  81  82  83  84  85  86  87  88  89  90  91  92  93  94  95  96  97  98  99  100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125  126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150  151  152  153  154  155  156  157  158  159  160  161  162  163  164  165  166  167  168  169  170  171  172  173  174  175  176  177  178  179  180  181  182  183  184  185  186  187  188  189  190  191  192  193  194  195  196  197  198  199  200  201  202  203  204  205  206  207  208  209  210  211  212  213  214  215  216  217  218  219  220  221  222  223  224  225  226  227  228  229  230  231  232  233  234  235  236  237  238  239  240  241  242  243  244  245  246  247  248  249  250  251  252  253  254  255  256  257  258  259  260  261  262  263  264  265  266  267  268  269  270  271  272  273  274  275  276  277  278  279  280  281  282  283  284  285  286  287  288  289  290  291  292  293  294  295  296  297  298  299  300  301  302  303  304  305  306  307  308  309  310  311  312  313  314  315  316  317  318  319  320  321  322  323  324  325  326  327  328  329  330  331  332  333  334  335  336  337  338  339  340  341  342  343  344  345  346  347  348  349  350  351  352  353  354  355  356  357  358  359  360  361  362  363  364  365  366  367  368  369  370  371  372  373  374  375  376  377  378  379  380  381  382  383  384  385  386  387  388  389  390  391  392  393  394  395  396  397  398  399  400  401  402  403  404  405  406  407  408  409  410  411  412  413  414  415  416  417  418  419  420  421  422  423  424  425  426  427  428  429  430  431  432  433  434  435  436  437  438  439  440  441  442  443  444  445  446  447  448  449  450  451  452  453  454  455  456  457  458  459  460  461  462  463  464  465  466  467  468  469  470  471  472  473  474  475  476  477  478  479  480  481  482  483  484  485  486  487  488  489  490  491  492  493  494  495  496  497  498  499  500  501  502  503  504  505  506  507  508  509  510  511  512  513  514  515  516  517  518  519  520  521  522  523  524  525  526  527  528  529  530  531  532  533  534  535  536  537  538  539  540  541  542  543  544  545  546  547  548  549  550  551  552  553  554  555  556  557  558  559  560  561  562  563  564  565  566  567  568  569  570  571  572  573  574  575  576  577  578  579  580  581  582  583  584  585  586  587  588  589  590  591  592  593  594  595  596  597  598  599  600  601  602  603  604  605  606  607  608  609  610  611  612  613  614  615  616  617  618  619  620  621  622  623  624  625  626  627  628  629  630  631  632  633  634  635  636  637  638  639  640  641  642  643  644  645  646  647  648  649  650  651  652  653  654  655  656  657  658  659  660  661  662  663  664  665  666  667  668  669  670  671  672  673  674  675  676  677  678  679  680  681  682  683  684  685  686  687  688  689  690  691  692  693  694  695  696  697  698  699  700  701  702  703  704  705  706  707  708