Curitiba, 
Nova pagina 1
  MENU PRINCIPAL
 Galeria de Fotos
 Fale Conosco
 Usuários
 Pagina Inicial
 Presidentes do Brasil
 Busca de Cep
 Busca de Cartórios
 Conheça o Brasil
 Governadores do Paraná - Imperial
 Governadores do Paraná - Republicano
COLUNAS LC
 Acidente de trabalho
 Ambiental
 Aposentadoria
 Arbitragem
 Atividade eventual
 Bancos
 Bem de Família
 Câmaras de Vereadores
 Cartão de crédito
 Célebres Julgamentos
 Conselho Nacional de Justiça
 Conselho Nacional de Justiça(CNJ)
 Conselho Tutelar
 Constituição Federal
 Contratos
 Cooperativas de crédito
 Cooperativas de Trabalho
 Crianças e Adolescentes
 Danos morais
 Direito Constitucional
 Direito do Consumidor
 Direito Empresarial
 Direitos do Empregador
 Direitos doTrabalhador
 Discriminação
 Emenda Constitucional 45/04
 Frases que marcaram
 Hist.Partidos Políticos
 IDOSOS
 Juizados Especiais
 Juizados Especiais
 Justa Causa
 Justiça Eleitoral
 Justiça On-Line
 Latim
 Leis
 Magistratura
 Ministério Público
 Municípios
 O.A.B
 Pensão Alimentícia
 Pensionistas
 Poder é Poder
 Portadores de Necessidades Especiais
 Precatórios
 Prefeituras
 RECURSOS
 Rural
 Sindicatos
 SÚMULAS
 TERCEIRIZAÇÃO
 Terceiro Setor
 Textos sucintos e interessantes
 Trabalhista
 União Estável
  NEWS LETTER
  

  Posto de gasolina deverá indenizar frentista obrigada a transportar valores à noite, sozinha e a pé.
   

No caso analisado pela 10ª Turma do TRT-MG ficou comprovado que uma frentista de posto de combustíveis era obrigada a transportar valores entre o local de trabalho e a residência do proprietário do posto, sem que lhe fossem asseguradas as condições mínimas de segurança. Para agravar a situação, a empresa exigia que a reclamante realizasse a tarefa a pé, sozinha e depois das 22h. No entender dos julgadores, ficou caracterizada a conduta ilícita praticada pelo empregador, por ter negligenciado as normas de segurança e violado a Lei 7.102/83, que trata de segurança patrimonial e transporte de valores, devendo, portanto, responder pelos danos morais sofridos pela empregada.

O próprio sócio do posto revelou, em seu depoimento, que houve um arrombamento no estabelecimento, ocasião em que foi roubado o cofre. Após esse acontecimento, a empresa determinou que a reclamante fechasse o caixa às 22h e entregasse as chaves do posto no hotel, pertencente ao mesmo empregador, levando, em seguida, os valores arrecadados à residência do proprietário. Duas semanas depois da adoção dessa medida, a frentista foi vítima de tentativa de assalto. O sócio do reclamado relatou que ela foi abordada por um indivíduo armado, sendo que o dinheiro, naquela oportunidade, já havia sido entregue ao proprietário do posto. O sócio declarou ainda que ninguém era destacado para acompanhar a frentista no trajeto entre o posto e a residência do proprietário.

Em seu voto, a relatora do recurso, desembargadora Deoclecia Amorelli Dias, explicou que a legislação que regula a segurança patrimonial e o transporte de valores estabelece várias regras, exigindo uma série de requisitos para o exercício profissional e a criação de empresas especializadas. Um dos requisitos exigidos, por exemplo, é a aprovação do profissional em curso de formação de vigilante autorizado pelo Ministério da Justiça.

Assim, conforme ressaltou a desembargadora, nos termos da Lei 7.102/83, a segurança patrimonial e o transporte de valores devem ser realizados por empresa especializada ou, caso a empresa resolva fazê-los com pessoal próprio, deverá observar as normas previstas na legislação. Para a magistrada, ficou evidenciada a conduta ilícita do reclamado, por afronta à Lei 7.102/83. Em face disso, foi confirmada a condenação do posto ao pagamento de uma indenização por danos morais no valor de 10 mil reais, em favor da frentista.

 
Fonte : TRT/3ªRegião
20/05/2010


  COMENTAR ESTE ARTIGO


Atenção

Você Precisa ser cadastrado para comentar as colunas do site , se você ja é faça login, se não clique aqui para se cadastrar
O processo de cadastro é simples e rápido, faça parte desta cominidade
Nova pagina 1
  COLUNAS LC
  Direitos das Mulheres
 Advocacia
 Assédio Moral
 Benefícios
 Biossegurança
 Bullying
 Cheques
 Cidadania
 Colunas
 Comunidade Jurídica
 Concurso Público
 Condomínios
 Conselho de Justiça Federal
 Contrato de Trabalho
 Defensoria Pública
 Direito de Família e Sucessões
 DNA
 Documentos
 Doenças Profissionais
 Dumping Social
 Educação
 Entrevistas
 Estagiários
 FGTS
 Frases Circunstanciais
 Fundos de Pensão
 Glossário
 Hist. das Constituições
 Horas Extras
 Imposto de Renda
 Info. Históricas do Brasil
 Injustiça
 Justiça na Alemanha
 Lei 11.382/06 - Lei de execução de títulos extrajudiciais
 Lei 11.441/2007
 Lei nº 11.232/22.12.2005- Lei de execução civil
 Política
 Prefeitos e Vereadores
 Repercussão Geral
 Saúde
 Servidor Público
 Sinopses de textos
 Textos diversos
  FAÇA LOGIN
Login:

Senha:



  PUBLICIDADE



  PESQUISA
O que achou do site?
Excelente
Ótimo
Bom
Razoável
Ruim