Curitiba, 
Nova pagina 1
  MENU PRINCIPAL
 Galeria de Fotos
 Fale Conosco
 Usuários
 Pagina Inicial
 Presidentes do Brasil
 Busca de Cep
 Busca de Cartórios
 Conheça o Brasil
 Governadores do Paraná - Imperial
 Governadores do Paraná - Republicano
COLUNAS LC
 Acidente de trabalho
 Ambiental
 Aposentadoria
 Arbitragem
 Atividade eventual
 Bancos
 Bem de Família
 Câmaras de Vereadores
 Cartão de crédito
 Célebres Julgamentos
 Conselho Nacional de Justiça
 Conselho Nacional de Justiça(CNJ)
 Conselho Tutelar
 Constituição Federal
 Contratos
 Cooperativas de crédito
 Cooperativas de Trabalho
 Crianças e Adolescentes
 Danos morais
 Direito Constitucional
 Direito do Consumidor
 Direito Empresarial
 Direitos do Empregador
 Direitos doTrabalhador
 Discriminação
 Emenda Constitucional 45/04
 Frases que marcaram
 Hist.Partidos Políticos
 IDOSOS
 Juizados Especiais
 Juizados Especiais
 Justa Causa
 Justiça Eleitoral
 Justiça On-Line
 Latim
 Leis
 Magistratura
 Ministério Público
 Municípios
 O.A.B
 Pensão Alimentícia
 Pensionistas
 Poder é Poder
 Portadores de Necessidades Especiais
 Precatórios
 Prefeituras
 RECURSOS
 Rural
 Sindicatos
 SÚMULAS
 TERCEIRIZAÇÃO
 Terceiro Setor
 Textos sucintos e interessantes
 Trabalhista
 União Estável
  NEWS LETTER
  

  ENAMAT: DIÁLOGO REDUZ TENSÃO NAS RELAÇÕES ENTRE JUÍZES, ADVOGADOS E PROCURADORES
   

 

Carmem Feijó/Enamat

 

Os 46 juízes recém-empossados que fazem o 9º Curso de Formação Inicial da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados do Trabalho (Enamat) participaram na sexta-feira (13) de um painel cujo objetivo era “discutir a relação” entre as três vertentes da carreira jurídica que atuam no dia-a-dia da Justiça: magistrados, advogados e representantes do Ministério Público. Na mesa-redonda, conduzida pelo ministro do Tribunal Superior do Trabalho Horácio de Senna Pires, integrantes das três profissões – o subprocurador-geral do Trabalho Edson Braz da Silva, o juiz do trabalho Renato Henry Sant’Anna e o advogado Alberto de Paula Machado, vice-presidente do Conselho Federal da OAB – expuseram, em linhas gerais, os principais pontos de tensão vividos por cada um, especialmente nas audiências de conciliação.

A discussão – que integra o módulo de Deontologia Profissional Aplicada do Curso de Formação Inicial – buscou ter em foco a questão ética que envolve os três profissionais na obtenção de um resultado satisfatório para as partes e para a sociedade. O juiz Renato Henry Sant’Anna, titular da Vara do Trabalho de Ribeirão Preto e vice-presidente da Associação Nacional de Magistrados do Trabalho (Anamatra) expôs alguns pontos que, de acordo com sua experiência, costumam gerar conflitos ou dificultar o ritmo das audiências. Esses pontos podem ser aparentemente comportamentais, como o excesso de interrupção por parte do advogado, ou técnicos, como a falta de autonomia para formalizar um acordo ou a apresentação de peças de difícil compreensão, que tomam do juiz mais tempo do que seria necessário para entender o processo. “O juiz tem de ser célere, mas não apenas ele”, observou Sant’Anna. “Quando se fala em morosidade da Justiça, pensa-se exclusivamente no juiz, mas os advogados e procuradores podem ter um papel importante para ajudar o Poder Judiciário a julgar com mais rapidez e eficiência.”

Do lado dos advogados, Alberto Machado – com 27 anos de militância na área trabalhista – acredita que quando cada um se fecha em sua posição, sem tentar entender os demais, “o conflito é inevitável”. Enfatizando, como o juiz, a necessidade de cooperação, o advogado lembrou que a audiência reúne agentes de um dos Poderes da República, que estão ali para servir primeiramente à sociedade, e não a interesses individuais. No campo prático, sugeriu que o Judiciário padronize os procedimentos em todas as suas unidades e criticou a excessiva fragmentação da regulamentação nessa área. “As questões administrativas e disciplinares variam enormemente de uma vara para outra, conforme a orientação de cada juiz, quando as normas procedimentais deveriam ser uniformizadas”, defendeu. Machado destacou também que o juiz deve ser tolerante e flexível no tocante à produção de provas, e queixou-se de generalizações que partem da “presunção de desonestidade” do advogado.

O subprocurador Edson Brás alinhou-se ao advogado na ênfase à produção de provas e deteve-se nas dificuldades que observa nas ações civis públicas – quando o Ministério Público do Trabalho recorre à Justiça para obrigar uma empresa a cumprir determinada norma, por exemplo. “Esse tipo de ação tem de ter uma abordagem própria, pois o que está em jogo não são interesses meramente patrimoniais, e sim o interesse público, como a segurança e a saúde do trabalhador”, afirmou.

Ao fim do painel, o coordenador da mesa, ministro Horácio de Senna Pires, contou vários casos de sua longa experiência de mais de 40 anos na área jurídica (37 dos quais na magistratura trabalhista) e encerrou ressaltando aos novos colegas o papel social do juiz e a importância do constante aperfeiçoamento. “Estamos investidos de um poder que tem de ser usado em benefício dos jurisdicionados, e não próprio”, afirmou. “E o juiz deve ser um eterno aprendiz, acompanhando a evolução da lei e da sociedade.”

 

Fonte : TRT/15ªRegião  Campinas
17/08/2010


  COMENTAR ESTE ARTIGO


Atenção

Você Precisa ser cadastrado para comentar as colunas do site , se você ja é faça login, se não clique aqui para se cadastrar
O processo de cadastro é simples e rápido, faça parte desta cominidade
Nova pagina 1
  COLUNAS LC
  Direitos das Mulheres
 Advocacia
 Assédio Moral
 Benefícios
 Biossegurança
 Bullying
 Cheques
 Cidadania
 Colunas
 Comunidade Jurídica
 Concurso Público
 Condomínios
 Conselho de Justiça Federal
 Contrato de Trabalho
 Defensoria Pública
 Direito de Família e Sucessões
 DNA
 Documentos
 Doenças Profissionais
 Dumping Social
 Educação
 Entrevistas
 Estagiários
 FGTS
 Frases Circunstanciais
 Fundos de Pensão
 Glossário
 Hist. das Constituições
 Horas Extras
 Imposto de Renda
 Info. Históricas do Brasil
 Injustiça
 Justiça na Alemanha
 Lei 11.382/06 - Lei de execução de títulos extrajudiciais
 Lei 11.441/2007
 Lei nº 11.232/22.12.2005- Lei de execução civil
 Política
 Prefeitos e Vereadores
 Repercussão Geral
 Saúde
 Servidor Público
 Sinopses de textos
 Textos diversos
  FAÇA LOGIN
Login:

Senha:



  PUBLICIDADE



  PESQUISA
O que achou do site?
Excelente
Ótimo
Bom
Razoável
Ruim