Curitiba, 
Nova pagina 1
  MENU PRINCIPAL
 Galeria de Fotos
 Fale Conosco
 Usuários
 Pagina Inicial
 Presidentes do Brasil
 Busca de Cep
 Busca de Cartórios
 Conheça o Brasil
 Governadores do Paraná - Imperial
 Governadores do Paraná - Republicano
COLUNAS LC
 Acidente de trabalho
 Ambiental
 Aposentadoria
 Arbitragem
 Atividade eventual
 Bancos
 Bem de Família
 Câmaras de Vereadores
 Cartão de crédito
 Célebres Julgamentos
 Conselho Nacional de Justiça
 Conselho Nacional de Justiça(CNJ)
 Conselho Tutelar
 Constituição Federal
 Contratos
 Cooperativas de crédito
 Cooperativas de Trabalho
 Crianças e Adolescentes
 Danos morais
 Direito Constitucional
 Direito do Consumidor
 Direito Empresarial
 Direitos do Empregador
 Direitos doTrabalhador
 Discriminação
 Emenda Constitucional 45/04
 Frases que marcaram
 Hist.Partidos Políticos
 IDOSOS
 Juizados Especiais
 Juizados Especiais
 Justa Causa
 Justiça Eleitoral
 Justiça On-Line
 Latim
 Leis
 Magistratura
 Ministério Público
 Municípios
 O.A.B
 Pensão Alimentícia
 Pensionistas
 Poder é Poder
 Portadores de Necessidades Especiais
 Precatórios
 Prefeituras
 RECURSOS
 Rural
 Sindicatos
 SÚMULAS
 TERCEIRIZAÇÃO
 Terceiro Setor
 Textos sucintos e interessantes
 Trabalhista
 União Estável
  NEWS LETTER
  

  O sol que faz bem ao organismo
   SAÚDE

O contato entre os raios e a pele ajuda a sintetizar a vitamina D, que facilita a absorção de cálcio e fósforo no intestino

 
Rafaela Bortolin

Valterci Santos/Gazeta do Povo

Valterci Santos/Gazeta do Povo / Thereza Finato, de 72 anos, diagnosticada com osteoporose há alguns anos, diz que se arrepende de não ter conhecido os benefícios do sol e da boa alimentação antes 

Thereza Finato, de 72 anos, diagnosticada com osteoporose há alguns anos, diz que se arrepende de não ter conhecido os benefícios do sol e da boa alimentação antes

Se você é daqueles que não aproveitam os dias de sol para fazer atividades ao ar livre, é bom se preparar. Em dias cada vez mais nublados, o nível de vitamina D no organismo pode ter uma queda significativa e trazer prejuízos à saúde. Isso porque apenas o contato entre os raios de sol e a pele ajuda o organismo a sintetizar esta vitamina, responsável por facilitar a absorção de cálcio e fósforo no intestino e, consequentemente, manter a saúde dos ossos e das funções neuromusculares em dia.

O alerta serve principalmente para quem não aproveita ao ar livre os parcos dias de sol – principalmente em Curitiba. Segundo a médica Victória Borba, do Setor de Endocrinologia e Metabologia do Hospital de Clínicas da Universi­dade Federal do Paraná, se a pessoa vai para a praia no verão ou aproveita os dias ensolarados para praticar esportes ao ar livre ou fazer caminhadas, ela produz mais vitamina D que o necessário, e essa quantidade é “poupada” para ser usada em momentos em que a frequência de exposição é muito menor. “Ela fica armazenada no fígado e nas camadas adiposas do corpo [a gordura], sendo usada quando há baixa de estoques da vitamina no corpo”, diz Victória.

Melhorias nítidas
Muitas caminhadas, várias doses de leite e pelo menos uma hora de sol no começo da manhã – sempre com filtro solar – todos os dias. Esta é a receita da professora aposentada Thereza Maria Malicheski Finato, de 72 anos, para manter os níveis de vitamina D em dia. Diagnosticada com osteoporose há alguns anos, ela diz que se arrepende de não ter conhecido os benefícios do sol e da boa alimentação antes. “Fiquei muito tempo só tomando medicação e suplementação e não tinha avanços. Agora, decidi conciliar isto com tomar sol e aumentar a ingestão de laticínios e as melhoras são nítidas. Meus níveis de vitamina D nunca estiveram tão bons.”

Saiba mais
Veja os mitos e verdades sobre a vitamina D
Saiba como acontece o ciclo da vitamina D, ingerida ou por via cutânea
Veja como suprir a necessidade diária de vitamina D
Segundo a médica, a incidência dos raios solares no inverno não permite uma síntese da vitamina em quantidade adequada. “Da maneira como eles entram na superfície, a produção de vitamina D é mínima. Mesmo que a pessoa fique muito tempo exposta, o que não é recomendado, não será suficiente.”

Indicações

O ideal para manter os níveis de vitamina D em dia é se expor ao sol por 10 a 15 minutos, duas vezes por semana. E sempre com o rosto, os braços e as pernas expostos, explica o médico reumatologista Cristiano Zerbini, do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. Ele orienta que em um curto período a pessoa não passe filtro solar na pele, já que o produto impede a penetração dos raios solares UVB, responsáveis pela ativação da síntese de vitamina D. “São só alguns minutos sem proteção e, se a pessoa pensa em exceder esse tempo, deve passar o filtro solar”, diz Zerbini. “Quem tem pele clara e histórico familiar de câncer de pele deve entrar em contato com um médico para ver se a melhor opção não é a suplementação de vitamina.”

Por outro lado, Lincoln Fabri­cio, médico dermatologista e chefe do setor de dermatologia do Hospital Evangélico, diz que essa aceleração da síntese de vitamina D pela exposição ao sol sem filtro não é completamente comprovada. O consenso entre os dermatologistas, explica, é que cada pessoa se exponha ao sol semanalmente, mas sempre usando o filtro solar com fator de proteção adequado ao seu tipo de pele.

“Mesmo Curitiba sendo uma cidade com inverno frio e chuvoso, é difícil alguém que não tome sol pelo menos uma vez por se­­mana. Se a criança brinca todos os dias no recreio ao ar livre ou os adultos fazem uma boa caminhada aos fins de semana no parque, já está ótimo.”

Benefícios

Ao contrário das vitaminas A e B, adquiridas a partir do consumo de alguns alimentos, a vitamina D é encontrada em quantidade muito reduzida em alguns alimentos e não é sintetizada pelo organismo sem a ajuda do sol.

“Pesquisas mostram que a combinação alimentação adequada e exposição diária ao sol previne osteoporose, diabete, tuberculose e até alguns tipos de câncer, como o de pulmão e de mama”, explica Denise Johnsson Amaral, nutricionista e conselheira do Conselho Regional de Nutricionistas do Paraná.

Segundo Denise, para resolver o problema da baixa de vitamina D durante o inverno, países que sofrem com invernos rigorosos mantêm leis determinando o acréscimo de vitamina D aos alimentos. “Como as pessoas não conseguem sintetizá-la adequadamente, farinhas, leite e até sucos de frutas são suplementados com uma quantidade deste nutriente. Como ainda há poucos alimentos fortificados no Brasil, o ideal é investir no consumo de leite e derivados, principalmente no inverno”, orienta.

Fonte: Gazeta do Povo - Paraná

 
Portal do Consumidor

1/6/2011

 



  COMENTAR ESTE ARTIGO


Atenção

Você Precisa ser cadastrado para comentar as colunas do site , se você ja é faça login, se não clique aqui para se cadastrar
O processo de cadastro é simples e rápido, faça parte desta cominidade
Nova pagina 1
  COLUNAS LC
  Direitos das Mulheres
 Advocacia
 Assédio Moral
 Benefícios
 Biossegurança
 Bullying
 Cheques
 Cidadania
 Colunas
 Comunidade Jurídica
 Concurso Público
 Condomínios
 Conselho de Justiça Federal
 Contrato de Trabalho
 Defensoria Pública
 Direito de Família e Sucessões
 DNA
 Documentos
 Doenças Profissionais
 Dumping Social
 Educação
 Entrevistas
 Estagiários
 FGTS
 Frases Circunstanciais
 Fundos de Pensão
 Glossário
 Hist. das Constituições
 Horas Extras
 Imposto de Renda
 Info. Históricas do Brasil
 Injustiça
 Justiça na Alemanha
 Lei 11.382/06 - Lei de execução de títulos extrajudiciais
 Lei 11.441/2007
 Lei nº 11.232/22.12.2005- Lei de execução civil
 Política
 Prefeitos e Vereadores
 Repercussão Geral
 Saúde
 Servidor Público
 Sinopses de textos
 Textos diversos
  FAÇA LOGIN
Login:

Senha:



  PUBLICIDADE



  PESQUISA
O que achou do site?
Excelente
Ótimo
Bom
Razoável
Ruim